Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Novas gestoras da Bibi Calçados e Piccadilly participam do MenuPOA

França é a adversária mais provável do Brasil, mas as chances de pegar a Alemanha aumentam; entenda

Alemanha pode aparecer no caminho do Brasil. (Foto: Reprodução)

A definição do Grupo D da Copa do Mundo Feminina, que aconteceu nesta quarta-feira (19), não ajudou o Brasil a conhecer seu adversário nas oitavas de final. Com a Seleção, no Grupo C, e a China, no B, garantidas entre as quatro melhores terceiras colocadas, seguem existindo seis cenários possíveis e, em cinco deles, o rival será a França, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), em Le Havre. No entanto, a possibilidade de o adversário brasileiro ser a Alemanha, no sábado, às 12h30min (de Brasília), em Grenoble, aumentou.

Nesta quarta-feira, pela terceira rodada do Grupo D, a Argentina buscou o empate por 3 a 3 diante da Escócia e terminou em terceiro lugar da chave com dois pontos; as escocesas estão eliminadas com apenas um. No Grupo A, a terceira colocada Nigéria, que tem campanha superior às hermanas, com três pontos, segue com chances de avançar. O Brasil, já garantido nas oitavas de final, só pega a Alemanha em caso de classificação das terceiras colocadas dos Grupos E e F, que serão decididos nesta quinta-feira, com a consequente eliminação de argentinas e nigerianas.

Camarões e Nova Zelândia se enfrentam em Montpellier, às 13h (de Brasília) e é preciso haver um vencedor para manter as alemãs na mira do Brasil. Para Camarões basta uma vitória simples por 1 a 0, por exemplo. Isso deixaria as camaronesas iguais em pontos, saldo de gols e gols pró com a Nigéria. O desempate poderia acontecer pelos cartões. As nigerianas, com um vermelho e cinco amarelos, somam 8 pontos, enquanto as camaronesas, com cinco amarelos, somam 5 e poderiam levar, no máximo, dois amarelos diante das neozelandesas, para não empatar em todos os critérios de desempate e forçar um sorteio para se saber quem avança entre as duas seleções africanas.

Uma vitória por dois gols de diferença a favor de Camarões facilita o cenário e já garante às Leoas uma campanha suficiente para ser uma das quatro melhores terceiras colocadas. Para a Nova Zelândia passar, a vitória teria que ser por dois gols de diferença sobre Camarões para desempatar com as nigerianas no saldo de gols.

O confronto entre Chile e Tailândia, às 16h (de Brasília), em Rennes, também precisa ter um vencedor para termos, já nas oitavas, uma reedição da final de 2007, quando a Alemanha levou a melhor sobre o Brasil. Para o Chile superar a Nigéria na luta pela classificação dos melhores terceiros colocados, as sul-americanas precisam vencer as tailandesas por três gols de diferença, igualando o saldo das africanas e garantindo o desempate nos gols pró. Para a Tailândia, existe uma chance matemática, se vencesse as chilenas por 15 gols de diferença, mas é um resultado bem improvável.

O Brasil enfrenta a Alemanha no caso de:

Vitória simples de Camarões pelo Grupo E e triunfo do Chile por, pelo menos, três gols de diferença pelo F. (No caso de vitória por 1 a 0 de Camarões, o desempate poderia acontecer pelos cartões. Nesse caso, as Leoas poderiam levar, no máximo, dois amarelos diante das neozelandesas).

Vitória da Nova Zelândia por, pelo menos, dois gols de diferença pelo Grupo E e goleada do Chile pelo F nas mesmas condições citadas acima.

O Brasil enfrenta a França no caso de:

Empate entre Camarões x Nova Zelândia pelo Grupo E

Vitória da Nova Zelândia 1 x 0 ou 2 x 1 pelo Grupo E

Vitória do Chile por até dois gols de diferença pelo Grupo F

Empate ou derrota do Chile diante da Tailândia pelo Grupo F

Deixe seu comentário: