Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Partidos de esquerda tentam reatar o diálogo nas igrejas

“O estado é laico, mas eu sou cristão” afirma Bolsonaro ao falar sobre votação para criminalizar a homofobia

Presidente foi questionado sobre divergência entre a versão dele e a oficial para a morte do pai do presidente da OAB. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Durante evento em Goiânia, nesta sexta feira (30), o Presidente Jair Bolsonaro fez alguns questionamentos com relação aos Ministros do Supremo Tribunal Federal. Em discussão, que tratava a equiparação de homofobia ao crime de racismo, o presidente afirmou que o STF estaria “legislando” sobre tais questões.

“O Supremo Tribunal Federal agora está discutindo se homofobia pode ser tipificado como racismo. Desculpe aqui o Supremo Tribunal Federal, que eu respeito e jamais atacaria o outro poder, mas, pelo que me parece, estão legislando […].” afirmou ele com relação ao julgamento sobre a criminilização da homofobia, que volta à discução na próxima quarta-feira (5), e completou ainda “O estado é laico, mas eu sou cristão”

O Presidente fez ainda questionamentos sobre a religião dos atuais ministros: “Com todo respeito ao Supremo Tribunal Federal, eu pergunto: existe algum, entre os 11 ministros do Supremo, evangélico? Cristão assumido? Não me venha a imprensa dizer que eu quero misturar a Justiça com religião. Todos nós temos uma religião ou não temos. E respeitamos, um tem que respeitar o outro. Será que não está na hora de termos um ministro no Supremo Tribunal Federal evangélico?” falou ele seguido por aplausos de apoiadores ali presentes.

Bolsonaro terá, durante seu governo, que indicar dois ministros para a Suprema corte tendo em vista que , de acordo com a legislação, os atuais ministros tem que se aposentar aos 75 anos. Os dois ministros que já estão “de malas prontas” são Celso de Mello e Marco Aurélio Mello, que deixarão o cargo em 2020 e 2021, respectivamente.

Uma das cadeiras, no entanto, já teria dono. De acordo com relatos do próprio presidente, o atual Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, já estaria cotato para tal vaga.

Deixe seu comentário: