Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 16 de julho

O governo britânico incentiva os cidadãos europeus a pedirem residência no Reino Unido

Brexit e guerra comercial afetam patrimônios. (Foto: Reprodução)

O governo britânico iniciou nesta segunda-feira (25) uma campanha publicitária para incentivar os cidadãos europeus a pedirem o estatuto de residente no Reino Unido, obrigatório após à saída do país da União Europeia.

Seis mil outdoors começaram a ser colocados em todo o país, incluindo nas grandes cidades, antecedendo uma campanha na televisão, rádio, redes sociais e internet no final desta semana.

O Ministério do Interior britânico confirmou que o esquema de regularização do estatuto migratório obrigatório para os cidadãos europeus residentes no Reino Unido estará em pleno funcionamento a partir do próximo sábado (30), apesar de a data do “Brexit” ter sido adiada desta sexta-feira (29) para 12 de abril.

O estatuto de residente permanente (settled status) será atribuído àqueles que vivem há cinco anos consecutivos no Reino Unido, enquanto os que estão há menos de cinco anos no país terão um título provisório (pre-settled status) até completarem o tempo necessário.

As autoridades estimam que cerca de 3,5 milhões de europeus residentes no Reino Unido precisem se registar até pelo menos o final de 2020. Desses, 200 mil já o fizeram durante as fases experimentais.

No início deste ano estavam inscritos nos serviços consulares portugueses, em Londres e Manchester, 302 mil portugueses, mas o governo português calcula que residam no Reino Unido algo em torno de 400 mil portugueses.

A secretária de Estado da Imigração britânica, Caroline Nokes, disse que quer passar a mensagem de que os cidadãos europeus continuam a ser bem-vindos no Reino Unido e que a campanha publicitária é importante “para que todos os que são elegíveis saibam como inscrever-se e recebam o estatuto de que precisam”.

“Quero que os cidadãos da UE (União Europeia) permaneçam e continuem a chamar ao Reino Unido a sua casa e gostaria de encorajar todos os cidadãos da UE a candidatarem-se assim que o programa entrar em funcionamento”, afirmou.

A campanha, na qual serão gastas 3,75 milhões de libras (4,36 milhões de euros), será feita apenas em língua inglesa, mas o ministério do Interior britânico garante que vão estar disponíveis instruções em cada uma das línguas dos Estados membros do Espaço Econômico Europeu, que inclui os 27 da UE e também a Noruega, Islândia e Liechtenstein.

O sistema de candidatura à residência permanente, criado pelo ministério do Interior britânico, será inteiramente digital, tendo sido criada uma aplicação móvel em dispositivos com sistema operativo Android para verificar a identidade do candidato.

Em alternativa, foram prometidos mais de 50 centros de apoio para a verificação dos documentos e também um serviço de verificação centralizado para documentos de identificação enviados por correio, incluindo cartões de identidade nacionais como o Cartão do Cidadão português.

Mais de 1.500 funcionários públicos vão trabalhar neste esquema, que terá um centro de atendimento centralizado com uma linha telefônica e endereços eletrônicos para esclarecer dúvidas e dar instruções sobre os passos a dar.

 

Deixe seu comentário: