Últimas Notícias > CAD1 > Situação do joelho, titularidade de Sarrafiore e reencontro de Guerrero no Peru: Dourado projeta duelo contra o Allianza Lima

O maior jato privado do mundo bateu um recorde ao voar de Los Angeles a Nova York

O jato particular Global 7500, da canadense Bombardier. (Foto: Divulgação/Bombardier)

O modelo de jato particular Global 7500, da canadense Bombardier, bateu um novo recorde de tempo de voo entre Los Angeles e Nova York, nos Estados Unidos, baixando em 90 minutos a viagem aérea da Costa Oeste à Costa Leste americana, segundo dados da companhia.

O Global 7500, considerado o maior jato privado do mundo, decolou do Aeroporto de Van Nuys, em Los Angeles, e pousou no Aeroporto de Teterboro, próximo a Nova York, três horas e 54 minutos depois, informou a Bombardier em um comunicado. Um típico voo de carreira entre as duas cidades leva aproximadamente cinco horas e meia.

O recorde vem depois que o modelo sobrevoou 8.152 milhas náuticas, o voo mais longo para um jato privado, acrescentou a empresa.

A aeronave, que custa US$ 73 milhões e fez seu primeiro voo comercial em dezembro, superou o Gulfstream G650, da General Dynamic, como o jato de luxo mais cobiçado, com uma cabine confortável que inclui uma sala de jantar e um quarto de dormir.

Revolução na indústria da aviação

A indústria aeroespacial está dando os primeiros passos para uma verdadeira revolução. Estamos falando dos novos foguetes reutilizáveis, capazes de fazer vários lançamentos de carga ao espaço a cada ano a um custo muito mais baixo em comparação com foguetes tradicionais. E na visão de uma empresa suíça de investimentos, essa nova geração de foguetes tem potencial para revolucionar também a indústria da aviação comercial no que diz respeito a voos de longa distância.

De acordo com a visão da UBS, voos de longa distância (aqueles que duram mais de 10 horas) seriam “canibalizados” por viagens feitas com tais foguetes, como o Starship, da SpaceX, que está em fase de testes com um protótipo e não demorará muito para ser inaugurado oficialmente. Ainda que a ideia de Elon Musk para este foguete seja usá-lo em viagens para a Lua e Marte, o veículo seria capaz de lançar naves sem sair da atmosfera da Terra, acomodando até 100 pessoas em uma viagem de curtíssima duração — estima-se que o Starship poderia voar de Nova Iorque para Xangai em apenas 39 minutos, enquanto atualmente aviões fazem esse trajeto em 15 horas.

Segundo estimativas da UBS, mais de 150 milhões de pessoas anualmente voam por mais de 10 horas, e somente no ano passado, foram registradas 527 mil rotas de longa distância em aviões com uma média de 309 assentos. “Embora alguns possam ver o potencial de usar o espaço para atender ao mercado de viagens de longa distância como ficção científica, acreditamos que existe um grande mercado aí”, diz a empresa, que levantou os seguintes números: “se assumirmos que 5% desses voos no futuro sejam servidos por foguetes a US$ 2.500 por viagem, a oportunidade de receita seria de mais de US$ 20 bilhões por ano”.

O próprio Elon Musk, CEO da SpaceX, já levantou essa ideia. Ele chegou a dizer que sua empresa tem sim planos de transportar passageiros a qualquer lugar da Terra em menos de 60 minutos, com essa viagem futurista custando algo equivalente a uma passagem de avião. E a UBS concorda: “dada a duração das viagens comerciais de longa distância e as regras em torno das restrições de tripulação, decolagem e pouso em aeroportos, acreditamos que um foguete reutilizável teria taxas de utilização materialmente melhores do que um avião comercial”.

Em uma pesquisa recente da UBS, 10% dos entrevistados disseram que prefeririam voar em uma espaçonave no lugar de uma aeronave em viagens de longa distância, e esse número tende a subir à medida em que os foguetes reutilizáveis caírem cada vez mais “na boca do povo”. Até então, a SpaceX tem seu Falcon 9 como case de sucesso, com o Falcon Heavy já mostrando do que é capaz e o Starship, ainda mais poderoso, dará as caras muito em breve.

Deixe seu comentário: