Últimas Notícias > Notícias > Mundo > Manifestantes são dispersados com gás lacrimogêneo em Hong Kong em novo dia de protestos

Preso no Brasil há 16 anos, chileno aguarda decisão sobre sua extradição

Maurício Norambuena participou do sequestro de Washington Olivetto. (Foto: Divulgação/PF)

Por participar do sequestro do publicitário Washington Olivetto, em 2001, o chileno Maurício Hernández Norambuena está preso no Brasil há 16 anos. Porém, se encontra desde a última quinta-feira (15), custodiado na Superintendência da Polícia Federal (PF), na Lapa, zona oeste de São Paulo.

Segundo a PF, Norambuena será extraditado para o seu país tão logo as autoridades brasileiras e chilenas acertem os “trâmites finais” de transferência, o que ainda não tem data para ocorrer. De acordo com o Ministério da Justiça, o governo chileno já se comprometeu formalmente a não submeter Norambuena à prisão perpétua, o que permite ao Brasil extraditá-lo, respeitando uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2004.

Na época, a Corte autorizou a extradição do sequestrador com algumas ressalvas a serem cumpridas pelo governo do país vizinho. Entre elas, o compromisso chileno de substituir as duas penas de prisão perpétua às quais Norambuena foi condenado em seu país por, no máximo, 30 anos de reclusão. Os ministros determinaram a substituição da pena porque a Constituição Brasileira não permite prisão perpétua para o crime de sequestro.

No Chile, Norambuena foi condenado à prisão perpétua por ter participado do assassinato do senador Jaime Guzmán, em abril de 1991, e do sequestro de Cristián Del Rio, filho do dono do jornal El Mercúrio, em setembro de 1991. No julgamento, foi condenado pelos crimes de homicídio, formação de quadrilha e extorsão mediante sequestro.

Deixe seu comentário: