Sábado, 07 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Ciência Saiba o que pensam as pessoas que não acreditam que o homem chegou (12 vezes) à Lua

(Foto: Reprodução/Nasa)

Cinquenta anos depois de o astronauta Neil Armstrong (1930-2012) ter dado aquele “pequeno passo para o homem, grande passo para a humanidade”, ainda há muita gente que não acredita que um ser humano – para ser mais exato, 12, em seis viagens diferentes da missão Apollo – pisou na Lua. Teorias conspiratórias de diferentes níveis de complexidade estão a um clique do mouse. E, em tempos de fácil propagação de notícias falsas em redes sociais, ganham fôlego online.

“Não adianta tentar rebater uma teoria da conspiração porque outra vai aparecer logo após. Por isso o melhor é voltar ao início e ver como aconteceu a corrida espacial”, disse o físico e engenheiro brasileiro Ivair Gontijo, cientista da Nasa, a agência espacial americana. “Muitas pessoas tem dúvidas legítimas e querem entender, mas quando procuram pelo assunto na internet, acabam achando mais teorias da conspiração e ficando mais confusas ainda.”

De tempos em tempos, diversas pesquisas de opinião são realizadas pelo mundo para medir o quanto as pessoas acreditam no sucesso das missões Apollo. O nível de descrença varia de 6% a 57% – este último impressionante número é de levantamento divulgado ano passado pelo VTsIOM, o instituto nacional de pesquisas de opinião da Rússia, e deve refletir sobretudo os esforços de contrapropaganda da Guerra Fria, quando a então União Soviética era rival dos Estados Unidos na chamada corrida espacial.

Levantamento semelhante realizado pelo instituto Gallup nos Estados Unidos apontou que 6% dos americanos não acreditam que o homem tenha pisado na Lua. Mas outras sondagens chegam a apontar que esse número pode ser bem maior: na casa dos 20%. De acordo com pesquisa recente realizada pela empresa YouGov, um em cada seis britânicos acredita que a conquista da Lua foi encenada. E, entre os jovens de até 35 anos, “informados” intensamente por canais de YouTube e fóruns de internet, esse número é ainda maior: 21%.

Contra os fatos

Os argumentos são os mais variados possíveis. Em fóruns de internet há desde gente defendendo que seria impossível pisar na Lua porque ela se trata de “uma bola de luz” até outros tentando provar por A mais B que até seria possível levar o homem até lá – o problema, segundo eles, seria fazer o caminho de volta para a Terra.

Dono de um famoso podcast, o comediante americano Joe Rogan está entre os disseminadores de teorias da conspiração. Seu argumento mais convincente, conforme já afirmou, parece ser o mero prazer que tem em duvidar das coisas. “Eu tenho uma relação de amor e ódio com teorias da conspiração”, disse ele, em uma de suas apresentações.

No YouTube, uma potente voz dos conspiradores é o canal de outro comediante americano, Shane Dawson. Seu vídeo defendendo que o homem nunca pisou na Lua tem 6min22s e mais de 7 milhões de visualizações.

Mesmo repaginados, os conspiracionistas atuais bebem na mesma velha fonte. Os mais antigos registros de teorias da conspiração sobre a chegada do homem à Lua estão no livro “We Never Went to the Moon: America’s Thirty Billion Dollar Swindle” (em tradução livre para o português, ‘Nós Nunca Fomos à Lua: A Fraude Americana de 30 Bilhões de Dólares’), escrito pelo ex-oficial da Marinha americana Bill Kaysing (1922-2005).

Com a experiência de ter trabalhado na fábrica de foguetes Rocketdyne entre 1956 e 1963, Kaysing começou a defender que as alunissagens do projeto Apollo haviam sido forjadas pelo governo americano. No livro, ele afirma que as chances de um pouso bem-sucedido no satélite terrestre eram de parcos 0,0017% e, no auge da Guerra Fria, era mais fácil para os Estados Unidos falsificar um resultado do tipo do que ir efetivamente para a Lua.

Segundo Gontijo, uma tremenda bobagem. “Os russos, maiores competidores dos americanos, nunca denunciaram as viagens à lua como farsa”, argumenta ele. “Eles sabiam muito bem o estado da tecnologia da época porque estavam tentando fazer o mesmo. E seus cientistas e engenheiro jamais levantaram dúvidas sobre o sucesso dos americanos.”

Todas de Ciência

Compartilhe esta notícia:

Podcast para valorizar o empreendedorismo é lançado pela prefeitura de Porto Alegre
Volkswagen e Ford se unem para construir carros autônomos e elétricos
Deixe seu comentário
Pode te interessar