Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Polícia Federal investiga estelionato contra a Caixa Econômica Federal

Tem de acelerar

Encontro dos poderes cujos resultados a nação aguarda. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Terça-feira vai se completar uma semana da declaração do presidente Jair Bolsonaro de que “a voz das ruas não pode ser ignorada” e da defesa que fez de “um pacto pelo Brasil”. Foi durante café da manhã que reuniu os presidentes do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli; do Senado, Davi Alcolumbre; e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Desde então, o relógio começou a correr. Nos dias seguintes foi anunciada a queda do Produto Interno Bruto e o aumento da taxa de desemprego. A sintonia e a integração para enfrentar a crise surpreenderam. Não podem agora patinar.

Abre mão

A equipe econômica do governo decidiu não mais açambarcar todos os problemas ao mesmo tempo. Por isso, o projeto de reforma da Previdência não incluirá estados e municípios. Embora considere o tema relevante, porque a maioria desses sistemas está falida, deixará que governadores e prefeitos desarmem o pacote com dinamites.

Garantir o futuro

Entidades representativas de servidores vão propor ao governo do Estado a criação de um fundo especial formado por recursos de privatizações, concessões, dívidas cobradas judicialmente para cobrir custos com os inativos. Será uma medida que ficará reforçada com aval da Assembleia Legislativa.

Risco de atraso maior

O Tribunal de Contas da União pedirá, na semana que se inicia, documentos sobre as várias fases da obra de construção da segunda ponte do Guaíba. No prazo máximo de um mês, engenheiros virão de Brasília a Porto Alegre para conferir tudo, incluindo o trecho que ficará intransitável quando o nível da água subir. A circunstância foi denunciada há mais de um ano e nenhuma providência foi tomada.

Para a galeria

A Assembleia Legislativa escolhe, anualmente, o Deputado Emérito. O primeiro indicado para 2019 é Henrique Fonseca de Araújo, que exerceu dois mandatos, de 1947 a 1951 e de 1955 a 1959, pelo Partido Libertador. De 1975 a 1979, foi procurador-geral da República. Seu filho, Ernesto Araújo, exerce o cargo de ministro das Relações Exteriores no atual governo. A proposição do título é do deputado estadual Eric Lins.

Capítulo da baixaria

O Rio de Janeiro desce mais um degrau rumo ao não se sabe o quê: o governador Wilson Witzel afirmou que o prefeito Marcelo Crivella deveria ter um filtro entre o cérebro e a boca.

Fugiram da responsabilidade

Estão se completando 25 anos da revisão fracassada da Constituição, prevista na promulgação de 1988. Foram aprovadas seis emendas no primeiro semestre de 1994 e nada mais.

Quando os constituintes incluíram a revisão, imaginavam que seria o momento para modificar o que não dera certo e melhorar alguns pontos. Havia a possibilidade de as reformas tributária e da Previdência entrarem na lista. Desde então, o Congresso está sob o Efeito Mandrake.

Oportunidade perdida

Um dos argumentos dos que se opuseram à revisão foi a força do Centrão e a possibilidade de que haveria retrocessos institucionais. Conversa fiada de parlamentares preguiçosos e covardes.

Distantes e insensíveis

O Senado e a Câmara dos Deputados devem abrir um pátio denominado Enquanto a Reforma Não Vem. Ali, os parlamentares se reuniriam, tomariam cafezinhos, olhariam a paisagem da Ilha da Fantasia, fumariam um cigarro e jogariam conversa fora. Hábitos dos quais não abrem mão. O resto, para eles, pouco interessa.

Há 110 anos

A 2 de junho de 1909, grupo de 31 estudantes universitários de Porto Alegre telegrafou a Ruy Barbosa, solidarizando-se por sua campanha civilista contra o marechal Hermes da Fonseca. Fizeram também comícios-relâmpago no Centro e trocaram bengaladas com adversários nos cafés da Praça da Alfândega. Os dois concorriam à Presidência da República. Fonseca foi o vencedor.

Férias

O colunista entra no período de férias a partir de amanhã.

Deixe seu comentário: