Sábado, 02 de julho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Celebridades 50 anos sem Leila Diniz, um dos maiores ícones feministas do Brasil

Compartilhe esta notícia:

Leila morreu em um desastre aéreo em 1972, aos 27 anos.

Foto: Reprodução
Leila morreu em um desastre aéreo em 1972, aos 27 anos. (Foto: Reprodução)

Um acidente de avião matou, no auge do sucesso e no esplendor da beleza, a atriz Leila Diniz, que, no dia 14 de junho de 1972, perdeu a vida aos 27 anos. Leila voltava da Índia para o Brasil, após divulgar o seu novo filme na Austrália. Antes de viajar, a atriz deixara com o ex-marido, o cineasta Ruy Guerra, a filha do casal, Janaína, com menos de dois anos de idade.

A tragédia comoveu o Brasil, não apenas por seus contornos explícitos, mas pelo que Leila representava. Desbocada, irreverente e, acima de tudo, libertária, ela foi a primeira a posar de biquíni e com seu barrigão de grávida nas praias cariocas.

A imagem confrontava o ideal de maternidade pintado pelos conservadores. Era uma mãe plena em sua sexualidade. Leila se guiava pelo desejo, essa palavra sinônimo de pecado.

Polêmicas

“Você pode amar muito uma pessoa e ir para a cama com outra”, declarou ela numa explosiva entrevista ao “Pasquim”, em 1969, que resultou, meses depois, no que ficou ironicamente conhecido como “Decreto Leila Diniz”, quando a ditadura instituiu a censura prévia.

Leila não se curvava às convenções, e agia como feminista sem utilizar o termo. Carlos Drummond de Andrade a homenageou com poesia. Martinho da Vila, Erasmo Carlos, Rita Lee, Elton Medeiros, Paulo César Pinheiro, Carlinhos Vergueiro e Taiguara o fizeram em canções.

Milton Nascimento se valeu de um delicado poema de Leila para criar a música “Um Cafuné na Cabeça, Malandro, Eu Quero Até de Macaco”, título pinçado de um bordão da própria protagonista, e que ajuda a entender um pouco da sua personalidade.

Não bastasse isso, a histórica entrevista para “O Pasquim”, recheada de palavrões censurados e onde Leila pregava, principalmente, o “amor livre” e a “liberdade sexual da mulher”, gerou uma enérgica reação do regime militar em vigência.

Mulher

A morte trágica e precoce, aos 27 anos de idade, representou para o País a perda de um jeito atrevido e irresponsável de se posicionar. Perdia-se a beleza, a poesia de uma jovem que enfrentava as repressões sociais sem empunhar armas de fogo ou discursos inflamados.

A imagem de Leila grávida, na praia, de biquíni e chapéu na cabeça, cristaliza essa possibilidade da mulher feminina, rebelde, alegre, ousada, mãe, “porra-louca” e tudo mais o que ela quisesse ser numa única personagem.

Tudo isso, ainda assim, não é suficiente para explicar Leila Diniz. Para isto, é necessário assisti-la, e compreender que ela foi, sobretudo, e antes de mais nada, uma mulher, com todas as vogais e consoantes, sem asteriscos nem cortes.

tags: Você Viu?

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Celebridades

Briga palaciana: o príncipe William fez lobby para que o tio fosse banido da família real
Mais comum entre as pessoas acima de 50 anos, doença que acometeu Justin Bieber pode ser evitada ou atenuada com vacina
Deixe seu comentário
Pode te interessar