Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Brasil A Justiça do Paraná autoriza a transferência de Eduardo Cunha para um presídio no Rio de Janeiro

Compartilhe esta notícia:

Eduardo Cunha está preso em Curitiba desde outubro de 2016. (Foto: Agência Brasil)

A Justiça Federal do Paraná autorizou a transferência do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha para que ele possa cumprir a pena em um presídio do Rio de Janeiro.

A decisão foi publicada no sistema da Justiça na tarde desta quarta-feira (29), às 15h43min, pelo juiz Ronaldo Sansone Guerra, e não detalha em qual presídio Cunha ficará detido.

O ex-presidente da Câmara está preso em Curitiba desde outubro de 2016. Ele foi condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas a 14 anos e seis meses de prisão.

O Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) informou que a escolta será feita pela Polícia Federal (PF), mas que não tem previsão para que isso aconteça.

No início de abril, a juíza Luciani Maronezi, da 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, pediu que as autoridades do Rio de Janeiro fossem consultadas para saber se havia vagas disponíveis para receber Cunha.

Na última quinta-feira (23), a Justiça do Rio de Janeiro tinha aceitado o pedido de transferência, mas ainda dependia da decisão da Justiça do Paraná.

“Considerando a informação de mov. 225.1 e o exarado na decisão retro (seq. 209.1), a transferência requerida não causa prejuízo à execução penal e contribui para ressocialização do sentenciado/requerente, circunstâncias que preponderam relativamente a eventual dano que possa decorrer de influência política e social do sentenciado”, disse o juiz ao decidir pela transferência.

Em nota, a defesa de Cunha disse que “a decisão é justa e adequada ao preceitos legais e constitucionais”.

MP-PR é contra transferência

Na sexta-feira (24), o Ministério Público do Paraná (MP-PR) reiterou que é contra a transferência de Cunha para um presídio do Rio de Janeiro.

O promotor Carlos Alberto Hohmann Choinski justificou o indeferimento da transferência em razão da influência política de Cunha que, segundo ele, acarretou na prática dos crimes pelos quais o ex-deputado foi condenado.

Em Curitiba, ainda conforme o MP-PR, a influência política de Cunha é “bem menor” em relação ao Rio de Janeiro ou Brasília. “Assim, prevenirá ou ao menos dificultará a prática de novos crimes contribuindo para apropriada execução da pena e ressocialização progressiva do condenado”, destacou o promotor.

STF nega anulação de pena

Em abril, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou, por unanimidade, anular a pena de lavagem de dinheiro imposta ao ex-presidente da Câmara dos Deputados.

Os advogados argumentavam que, em razão do mesmo ato, Cunha foi condenado por corrupção passiva e lavagem. Mas, na avaliação de todos os ministros da turma, as instâncias inferiores consideraram que há provas do cometimento dos dois crimes.

Tanto o ex-juiz Sérgio Moro quanto o Tribunal Regional Federal da 4ª Região consideraram que havia provas que ele recebeu propina e tentou mascarar a legalidade dos valores, mandando para contas no exterior, em razão de uma negociação para exploração de um campo de petróleo na República de Benin pela Petrobras.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Apesar das suspeitas de obstrução nas eleições de 2016, acusar Donald Trump não é uma opção, disse procurador especial dos EUA
O “Dia do Desafio” mobilizou funcionários da prefeitura de Porto Alegre para a importância da prática de exercícios físicos
Deixe seu comentário
Pode te interessar