Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Mostly Cloudy

Saúde Agitado na hora de dormir? Especialistas descobrem novo “distúrbio do sono” em crianças

Compartilhe esta notícia:

Um grupo de pesquisadores fez uma análise de 107 estudos sobre sono infantil. (Foto: Reprodução)

Seu filho se vira para um lado e para o outro, rola para lá e para cá e não para quieto na hora de dormir? Pode existir uma boa explicação para isso. Uma revisão publicada na revista Sleep Medicine, sugeriu que algumas crianças sofrem de um distúrbio chamado “Transtorno do Sono Agitado”.

Um grupo de pesquisadores fez uma análise de 107 estudos sobre sono infantil. O objetivo era descobrir possíveis causas para crianças que se mexem muito durante a noite. Eles chegaram a conclusão de que, para entender por que isso acontece, era preciso analisar o quadro como um transtorno independente, com características e consequências próprias.

“Elas se mexem, se mexem e vão se reposicionando a noite toda. Sonolência diurna, hiperatividade, alguns problemas comportamentais podem ser os primeiros sinais que os pais veem”, disse Lourdes DelRosso, uma das autoras do estudo, à CBS Miami.

Um levantamento feito pela autora, no Hospital Infantil de Seattle, nos Estados Unidos, mostrou que cerca de 7% das crianças apresentam esse tipo de comportamento noturno. “O primeiro passo para lidar com esse transtorno em crianças é reconhecer que isso não é um sono reparador”, disse.

Segundo os pesquisadores, mais estudos são necessários para entender a condição, mas já existem algumas hipóteses sobre o que pode estar por trás do transtorno. “Descobrimos que, de fato, os níveis de ferro eram baixos nessa população. Portanto, durante o último ano e meio, estivemos trabalhando com suplementação de ferro oral e intravenosa e vimos resultados surpreendentes. Muitos mais estão muito felizes com o sono de seus filhos e com a qualidade de vida”, explicou. A suspeita é de que isso acontece porque o ferro trabalha na síntese de alguns neurotransmissores, como a dopamina, que ajuda na regulação do sono.

O primeiro passo para reconhecer se uma criança se encaixa nessa condição é observar seu comportamento durante a noite e ver como a agitação repercute em seu humor e no seu estado físico ao longo do dia. A qualquer menor sinal de suspeita, a recomendação é procurar um pediatra para fazer uma avaliação mais minuciosa.

“Como pediatras, muitas vezes nos concentramos na quantidade de sono, dizendo aos pais que seu filho precisa de 10-11 horas de sono por noite”, disse DelRosso. “O que é realmente empolgante em avançar com este novo diagnóstico é que ele traz de volta à equação a qualidade do sono. A criança não deve apenas dormir uma boa quantidade de sono, mas também queremos garantir que o sono que ela tenha é de boa qualidade.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV
Saiba como cuidar da saúde íntima feminina no verão
Deixe seu comentário
Pode te interessar