Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Geral Alexandre de Moraes ironiza frase de Eduardo Bolsonaro sobre fechamento do Supremo: “Cabo, soldado e coronel estão presos”

Compartilhe esta notícia:

Para o ministro, o confronto ao Judiciário foi uma das estratégias do que ele chamou de “novo populismo”, e que teria levado ao 8 de janeiro. (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ironizou nessa quarta-feira (21) uma fala antiga do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), de que seriam necessários “um soldado e um cabo” para fechar a Corte. De acordo com Moraes, o “cabo, o soldado, o coronel” estão presos e o STF segue funcionando.

A declaração ocorreu durante seminário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), presidido por Moraes, sobre inteligência artificial, democracia e eleições. Sem referir-se diretamente a Eduardo, o ministro afirmou que “todos se recordam” da fala, gravada em 2018. Em seguida, fez menção aos ataques extremistas do 8 de janeiro e às investigações que tiveram militares como alvos.

“Todos se recordam que bastava um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal. O cabo, o soldado, o coronel, estão todos presos. E o Supremo Tribunal Federal aberto, e funcionando. Mas se disse que bastaria um cabo e um soldado”, declarou Moraes.

Para o ministro, o confronto ao Judiciário foi uma das estratégias do que ele chamou de “novo populismo”, e que teria levado ao 8 de janeiro.

“Como não foi um cabo e um soldado, foram milhares de pessoas que destruíram o prédio do Supremo Tribunal Federal. Se foi para o confronto ao Judiciário, para tentar, exatamente, garantir esse novo populismo.”

A fala de Eduardo Bolsonaro ocorreu em julho de 2018, em um curso para interessados em prestar concursos públicos. Após ser questionado sobre uma eventual ação do STF para impedir a posse de seu pai, Jair Bolsonaro, que concorria pela primeira vez à Presidência, o deputado federal respondeu:

“Aí já está encaminhando para um estado de exceção. O STF vai ter que pagar para ver. E aí, quando ele pagar para ver, vai ser ele contra nós”, disse Eduardo, acrescentando depois: “Será que eles vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF, você sabe o que faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo.”

O vídeo ganhou repercussão a poucos dias do segundo turno das eleições daquele ano. Na época, Eduardo afirmou que citou uma “brincadeira” e disse nunca ter defendido o fechamento do STF.

Notícias falsas

Em outra frente, Alexandre de Moraes reafirmou ser necessário haver uma regulamentação das big techs para evitar a propagação da desinformação e de notícias falsas nas redes sociais. O ministro fez a declaração ao realizar a conferência de encerramento do “Seminário Internacional – Inteligência Artificial, Democracia e Eleições”.

Promovido em conjunto pelo TSE e pela Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getulio Vargas (FGV Comunicação) nos dias 21 e 22 de maio, o evento debateu os impactos da inteligência artificial (IA) e das tecnologias no processo eleitoral e suas consequências para a democracia, principalmente no tocante à multiplicação de desinformação e conteúdos falsos.

“Hoje não há a mínima possibilidade das redes sociais alegarem ignorância e dizerem que não sabem que estão sendo instrumentalizadas. Elas sabem e lucram com isso. O que não pode no mundo real, não pode no mundo virtual. É simples, não precisa de mais nada. No mundo virtual, os covardes, escondidos sob o anonimato, atacam, agridem e ofendem as pessoas. Propagam discursos de ódio porque não têm coragem de fazer isso no mundo real. São covardes reais e corajosos virtuais”, declarou o ministro Alexandre de Moraes. As informações são do jornal O Globo e do TSE.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Supremo volta a julgar se a vida íntima de vítimas de crimes sexuais pode ser usada como argumento na Justiça
Primeiro-ministro do Reino Unido convoca eleições antecipadas e dissolve o Parlamento
https://www.osul.com.br/alexandre-de-moraes-ironiza-frase-de-eduardo-bolsonaro-sobre-fechamento-do-supremo-cabo-soldado-e-coronel-estao-presos/ Alexandre de Moraes ironiza frase de Eduardo Bolsonaro sobre fechamento do Supremo: “Cabo, soldado e coronel estão presos” 2024-05-22
Deixe seu comentário
Pode te interessar