Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Cloudy

Política Apoio do governo ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, esquenta disputa dentro do MDB

Compartilhe esta notícia:

Em 2019, Alcolumbre (foto) venceu Renan Calheiros, entre muitos motivos, por causa do racha no MDB

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Em 2019, Alcolumbre (foto) venceu Renan Calheiros, entre muitos motivos, por causa do racha no MDB. (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O apoio do presidente Jair Bolsonaro ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, reafirmado nesta sexta-feira (08), colocou dificuldade nas pré-candidaturas de Eduardo Gomes e Fernando Bezerra, que disputam a preferência dentro do MDB para o comando do Senado.

Emedebistas defendem que não existe líder de governo sem apoio do governo. E na falta de uma postura mais isenta do Planalto, para reduzir constrangimentos na bancada, caberia a Gomes e Bezerra retirarem a candidatura ou deixarem a liderança de governo – o que não foi manifestado por nenhum dos dois até aqui.

Embora o Planalto não tenha formalizado apoio, além da amizade com Alcolumbre, a candidatura de Rodrigo Pacheco (DEM) conta com o apoio de Flávio Bolsonaro, filho do presidente.

O MDB vai decidir até quarta-feira (13) ou quinta-feira (14) quem será o seu candidato. “Não haverá duas candidaturas. Nós teremos um candidato ou uma candidata”, afirmou veementemente o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga, que também é um dos cotados.

Além de Braga, e dos pré-candidatos que são líderes de governo, corre também na disputa a senadora Simone Tebet. Ainda que não admitam pretensão, Renan Calheiros, que já presidiu o Senado três vezes, e Márcio Bittar, relator do Renda Cidadã, também integram a lista de possíveis candidatos.

Em 2019, Alcolumbre venceu Renan Calheiros, entre muitos motivos, por causa do racha no MDB. Em conversas reservadas, alguns emedebistas chegam a afirmar que teria sido mais fácil apoiar a reeleição de Alcolumbre do que partir para uma nova disputa interna.

Isso só não foi possível porque o Supremo Tribunal Federal barrou a reeleição. Contando com o apoio de integrantes do PSDB, Podemos, PSL, Cidadania, o partido acredita que já soma pelo menos 37 votos, o que ainda é insuficiente para vencer.

Candidato do governo

Ao mesmo tempo que o MDB prega independência, usa do artifício de rotular Pacheco de “candidato do governo” na tentativa de atrair votos da oposição.

Pacheco vem mantendo diálogos simpáticos com senadores do PT, o que é visto com cautela pelo Planalto. O diagnóstico é de que a proximidade, na busca por votos, não pode interferir na pauta de interesse do governo no Senado.

Entre petistas, a postura do senador, quando ainda era deputado, na condução de investigações contra o ex-presidente Michel Temer, é bem lembrada. Na época, Pacheco era do MDB e, mesmo assim, tocou o início do processo de Temer.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Número de documentos perdidos cai 47% com a pandemia do coronavírus em 2020
Governo diz ao Supremo que requisição de seringas não inclui material comprado por Estados
Deixe seu comentário
Pode te interessar