Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Brasil volta a registrar estabilidade na média de óbitos por Covid, com 90 mortes em 24h

Compartilhe esta notícia:

São 664.920 óbitos e 30.677.508 casos conhecidos registrados do coronavírus desde o início da pandemia. (Foto: Reprodução ilustrativa/EBC)

O Brasil registrou no sábado (14) 90 mortes pela Covid-19 em 24 horas, totalizando 664.920 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 106. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -14%, indicando tendência de estabilidade nos óbitos decorrentes da doença, após ficar um dia com tendência de queda.

Brasil, 14 de maio:

— Total de mortes: 664.920
— Registro de mortes em 24 horas: 90
— Média de mortes nos últimos 7 dias: 106 (variação em 14 dias: -14%)
— Total de casos conhecidos confirmados: 30.677.508
— Registro de casos conhecidos confirmados em 24 horas: 15.015
— Média de novos casos nos últimos 7 dias: 17.682 (variação em 14 dias: +19%)

Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Tocantins não divulgaram seus boletins até 20h. O Amapá não teve registro de mortes e de casos. Acre, Alagoas, Amazonas, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe não tiveram registro de mortes.

O país também registrou 15.015 novos diagnósticos de Covid-19 em 24 horas, completando 30.677.508 casos conhecidos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi de 17.682, variação de +19% em relação a duas semanas atrás.

Em seu pior momento, a média móvel superou a marca de 188 mil casos conhecidos diários, no dia 31 de janeiro deste ano.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Curva de mortes nos Estados:

— Em alta (6 Estados): PR, SP, MS, RS, BA, RO
— Em estabilidade (3 Estados): CE, SE, ES
— Em queda (10 Estados): AC, AM, RN, PB, MT, PA, GO, AL, SC, PE
— Não divulgou (6 Estados e o DF): DF, MA, MG, PI, RJ, RR, TO

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás.

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os números de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Já a variação percentual para calcular a tendência (alta, estabilidade ou queda) leva em conta os números não arredondados.

Vacinação

Os últimos dados do consórcio de veículos de imprensa mostram que 165.135.241 brasileiros estão totalmente imunizados ao tomar a segunda dose ou a dose única de vacinas. Este número representa 76,87% da população total do País. A dose de reforço foi aplicada em 89.426.499 pessoas, o que corresponde a 41,63% da população.

A população com 5 anos de idade ou mais (ou seja, a população vacinável) que está parcialmente imunizada é de 88,79% e a população com 5 anos ou mais que está totalmente imunizada é de 82,5%. A dose de reforço foi aplicada em 55,28% da população com 18 anos de idade ou mais, faixa de idade que atualmente pode receber o reforço da vacinação.

No total, 12.051.863 doses foram aplicadas em crianças, que estão parcialmente imunizadas. Este número representa quase 58,79% da população nessa faixa de idade que tomou a primeira dose. Ainda nesta faixa, 5.997.120 estão totalmente imunizadas ao tomar a segunda dose de vacinas, o que corresponde a 29,25% da população deste grupo.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Misturar ibuprofeno com outras drogas pode afetar os rins
Três em cada quatro posts de influenciadores sobre comida são de alimentos pouco saudáveis
Deixe seu comentário
Pode te interessar