Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Misturar ibuprofeno com outras drogas pode afetar os rins

Compartilhe esta notícia:

Medicamentos associados intensificam desidratação do paciente e pode levar a lesões graves no órgão. (Foto: Divulgação)

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Waterloo, no Canadá, mostrou que misturar ibuprofeno com remédios para pressão alta e diuréticos pode colocar em risco a vida dos pacientes. De acordo com os cientistas, a associação desses três medicamentos provocaria uma desidratação severa e prejudicaria o funcionamento dos rins.

Remédios indicados para o tratamento da pressão alta costumam ser prescritos junto com diuréticos, porque fazer xixi com frequência auxilia na diminuição da hipertensão. No entanto, se o paciente não ingerir doses suficientes de água, o medicamento pode levar à desidratação. O ibuprofeno, por sua vez, intensificaria o quadro de desidratação, podendo causar lesões irreparáveis aos rins, alerta a pesquisa.

O estudo foi feito a partir de modelos simulados por computador, e publicado na revista científica Mathematical Biosciences. Os cientistas descobriram que em pessoas com hipertensão, a combinação pode causar lesão renal aguda, que em alguns casos pode ser permanente. No caso dos hipertensos, eles recomendam que os pacientes conversem com o médico para decidir qual medicamento usar em caso de dor ou febre.

“Não é que todo mundo que toma essa combinação de remédios que terá problemas”, disse Anita Layton, professora de matemática em Waterloo e pesquisadora de biologia matemática e medicina na mesma instituição. “Mas a pesquisa mostra que é um problema suficiente para que você tenha cautela”.

Testes de medicamentos simulados por computador podem produzir rapidamente resultados que levariam muito mais tempo em testes clínicos em humanos. Layton e sua equipe usam matemática e ciência da computação para dar aos médicos uma vantagem inicial em questões como os efeitos colaterais da droga.

“Os diuréticos são uma família de drogas que fazem o corpo reter menos água”, disse Layton. “Estar desidratado é um fator importante na lesão renal aguda e, em seguida, o remédio para pressão alta e o ibuprofeno atingem o rim com esse golpe triplo. Se você estiver tomando esses medicamentos para hipertensão e precisar de um analgésico, considere o paracetamol.”

Sol e vitamina D

Apesar do que é comumente dito, a luz do sol não “fornece” vitamina D. Na verdade, o corpo humano a produz quando a pele é exposta aos raios ultravioleta do sol. Neste processo, o fígado e os rins convertem a forma biologicamente inerte da vitamina D em outras formas mais ativas e que o corpo pode usar para promover a absorção de cálcio, o que contribui para a saúde óssea.

Mas a luz solar consiste em ultravioleta A, ou UVA, que penetra profundamente nas camadas da pele e pode causar envelhecimento prematuro; e ultravioleta B, ou UVB, que causa a vermelhidão da queimadura solar. São os raios UVB que desencadeiam a síntese de vitamina D.

Muitas pessoas podem obter a vitamina D que seus corpos precisam através da exposição direta à luz solar durante os meses de verão. Apenas 10 minutos por dia de exposição ao sol são normalmente suficientes. Mas para muitos, a produção de vitamina D será inadequada durante os meses de inverno.

Isso porque você não pode obter exposição UVB adequada sentado em ambientes fechados ou em um carro. Praticamente todos os vidros comerciais e automotivos bloqueiam os raios. Como resultado, você não poderá aumentar seus níveis de vitamina D sentado em frente a uma janela ensolarada, embora grande parte da radiação UVA penetre no vidro e possa ser prejudicial.

“Não importa se é inverno ou verão, você não produzirá vitamina D sentado na frente de uma janela”, disse Michael Holick, professor de medicina, fisiologia e biofísica da Boston University School of Medicine.

Aqueles preocupados com baixos níveis de vitamina D podem investir em determinados alimentos. A melhor fonte dietética de vitamina D é o antiquado óleo de fígado de bacalhau. Outras fontes alimentares incluem peixe-espada e salmão e, em menor grau, leite fortificado, suco de laranja e iogurte, bem como sardinhas enlatadas em óleo, gemas de ovos e cereais fortificados. Suplementos dietéticos também estão disponíveis.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

“Perdão real não será possível neste momento”, diz advogado de brasileira condenada por tráfico internacional na Tailândia
Onda de frio: como proteger seu corpo e sua energia
Deixe seu comentário
Pode te interessar