Segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Com a campanha de vacinação mais avançada das Américas, o Chile vê queda drástica de casos e começa reabertura

Compartilhe esta notícia:

O Chile também um dos mais adiantados do planeta, à frente da União Europeia, do Reino Unido e de Israel, por exemplo. (Foto: Agência Brasil)

Com 71% de sua população vacinada com ao menos uma dose e 61,4% com as duas, o Chile tem a campanha de vacinação anti-covid mais avançada das Américas, quando se considera a imunização completa. É também um dos mais adiantados do planeta, à frente da União Europeia, do Reino Unido e de Israel, por exemplo. Não é à toa que o país vê hoje seu menor número de diagnósticos diários desde o ano passado.

As novas infecções caíram 78,9% desde 9 de junho, quando os chilenos atravessavam um de seus momentos mais críticos na pandemia. Nesta semana, pela primeira vez em quase oito meses, nenhuma parte da Região Metropolitana de Santiago está sob quarentena, enquanto os chilenos já vacinados receberam na quinta-feira o sinal verde para viajar ao exterior.

A melhora é similar à do Uruguai, onde 60,4% da população já recebeu as duas doses. Ambos usam maciçamente a vacina chinesa Sinovac, que no Brasil ficou conhecida como CoronaVac. No caso do Chile, ela corresponde a mais de três quartos de todas as injeções aplicadas.

Para especialistas ouvidos pelo jornal O Globo, a melhora é indissociável da imunização em massa, e inocular tanta gente com tamanha rapidez deve-se, principalmente, a um governo rápido na compra de doses, um sistema de saúde primária eficiente e organizado e à conscientização popular.

Se no Brasil os chamados sommeliers de vacina dão o que falar, indo de posto em posto até encontrarem as doses que consideram “melhores”, o exemplo chileno mostra que a melhor dose é aquela que está disponível. Os inoculantes têm diferenças entre si, mas todos cumprem seu papel-chave: evitar casos graves, mortes e a sobrecarga do sistema de saúde.

“O presidente Bolsonaro comparou a covid-19 a uma gripezinha. O objetivo da vacina é fazer com que ela seja, de fato, uma gripezinha”, afirmou o professor Gabriel Cavada, epidemiologista da Universidade do Chile. “E é inegável que elas têm surtido efeito.”

Dos 2,3 mil chilenos vacinados com as duas doses da CoronaVac que fizeram parte da fase 3 de um estudo da Universidade Católica divulgado no último dia 15, apenas 45 contraíram covid-19. Três deles precisaram ser internados, e nenhum morreu em um período de seis meses.

Um outro estudo constatou que as duas injeções conseguiram impedir internações e mortes em, respectivamente, 85% e 80% dos casos. A capacidade de evitar casos sintomáticos, no entanto, ficou na casa dos 67%.

Ainda assim, o alívio no sistema de saúde já é significativo: as internações por Covid-19 caíram 43% nas últimas seis semanas, e o número de pacientes em respiradores mecânicos diminuiu 45%. As novas admissões, aponta Cavada, são em sua maioria de pessoas não vacinadas ou que não tiveram tempo de tomar as duas injeções.

Tanto no Chile quanto no Uruguai, a aproximação do marco de 60% da população vacinada com as duas injeções parece ter sido um ponto de virada. Para os especialistas, contudo, é precipitado tirar conclusões até que mais pesquisas sobre o assunto sejam concluídas.

No Chile, as mortes também diminuem, mas em ritmo menor: hoje morrem em média 80 pessoas por dia, 40% a menos que no último dia 8. Para Cavada, esse atraso explica-se em parte pelo tempo de incubação da doença e seu ciclo – deve-se esperar cerca de um mês para que a tendência de mortes comece a refletir a mudança no número de casos.

Para o professor da Universidade de Santiago do Chile Claudio Castillo, no entanto, a discrepância pode ser relacionada às variantes atualmente predominantes no país: a Gama, que apareceu em Manaus no ano passado, e a Lambda, originária dos Andes. As pesquisas, contudo, ainda são incipientes.

Castillo cita como exemplo um estudo publicado pela revista médica Lancet no início do mês, concluindo que anticorpos de vacinados com CoronaVac teriam dificuldade para neutralizar a Gama. Isso não significa que a vacina não surta efeito, mas que a mutação provavelmente aumenta a probabilidade de reinfecção.

Pela primeira vez em quase oito meses, nenhuma das 52 comunas da região metropolitana de Santiago está na fase mais draconiana do plano Passo a Passo, que traça as regras para o desconfinamento chileno de acordo com os dados epidemiológicos de cada região.

Na etapa atual, não há mais quarentena e viagens inter-regionais passaram a ser permitidas. Pessoas com o passe de mobilidade podem frequentar espaços fechados de academias e restaurantes, por exemplo, e cinemas com ocupação reduzida.

O governo anunciou ainda que permitirá, a partir do dia 26, a viagem ao exterior de chilenos e residentes vacinados. Em seu retorno, contudo, precisarão fazer um rígido isolamento obrigatório de 10 dias, além de testes PCR. Quem testar positivo, por sua vez, precisará ir para hotéis sanitários.

Todos ficarão sujeitos à fiscalização e, se descumprirem as regras, poderão ser multados em até 50 milhões de pesos (R$ 345 mil) e ter seu passe de mobilidade cancelado. As fronteiras continuarão fechadas para estrangeiros não residentes. As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Fabricante da vacina Covaxin anuncia fim de acordo com empresa que a representava no Brasil e diz não reconhecer documentos enviados ao Ministério da Saúde
Excesso de informações pode afetar a saúde mental
Deixe seu comentário
Pode te interessar