Domingo, 19 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Thunder

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política CPI da Covid retoma trabalhos com depoimentos de intermediários que negociaram vacinas

Compartilhe esta notícia:

Intermediários teriam negociado vacinas com o governo sem aval dos fabricantes

Foto: Agência Senado
A decisão deve ser tomada nas próximas horas entre os integrantes da CPI. (Foto: Agência Senado)

A CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) da Covid retoma os trabalhos nesta semana, após o fim do recesso do Legislativo, com depoimentos de intermediários que negociaram vacinas com o governo sem o aval das fabricantes dos imunizantes.

O presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), disse em entrevista neste domingo (1º) que estão previstos os seguintes depoimentos: Terça-feira – reverendo Amilton. Quarta-feira – coronel Marcelo Blanco. Quinta-feira – empresário Airton Cascavel.

Inicialmente, estava previsto o depoimento de Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, para quarta-feira. Porém, ele viajou para a Índia em 25 de julho, tendo sido notificado pela secretaria da CPI somente no dia seguinte.

Segundo Aziz, a previsão é que ele seja ouvido na próxima semana, assim como outras pessoas ligadas à Precisa Medicamentos, empresa que negociou vacinas com o governo brasileiro sem aval dos fabricantes.

Reverendo Amilton

Primeiro depoente a ser ouvido nesta semana, o reverendo Amilton Gomes de Paula, fundador da Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários), teria negociado a venda da vacina AstraZeneca em nome do governo brasileiro.

A Senah é uma organização evangélica fundada em 1999 pelo reverendo Amilton, com sede em Águas Claras (DF). Em seguida, a entidade passou a desenvolver o Fest Vida, um projeto de ação sociocultural no DF e em cidades de Goiás do Entorno do DF.

Conforme revelou o Jornal Nacional, e-mails mostram que o então diretor de Imunização do Ministério da Saúde, Lauricio Monteiro Cruz, deu aval para que o reverendo e a entidade presidida por ele negociassem 400 milhões de doses do imunizante com a empresa americana Davati.

O nome do reverendo foi citado pela primeira vez na CPI em 1º de julho, durante depoimento do Policial Militar Luiz Paulo Dominguetti – que se apresenta como representante da Davati Medical Supply, empresa que, segundo ele, atuaria como intermediária na compra de vacinas. Ele teria ofertado 400 milhões de doses da AstraZeneca, sem aval da fabricante.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Zanetti arrisca, erra saída na final e fica em oitavo lugar nas argolas
Caixa Econômica Federal libera saques da quarta parcela do auxílio emergencial a nascidos em janeiro
Deixe seu comentário
Pode te interessar