Segunda-feira, 14 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Ciência Destroços do foguete chinês que caiu na Terra foi visto no céu de Santa Catarina

Compartilhe esta notícia:

Astrônomo amador fez sequência de imagens para mostrar trajeto do objeto no céu catarinense.

Foto: Jocimar Justino/Arquivo pessoal
Astrônomo amador fez sequência de imagens para mostrar trajeto do objeto no céu catarinense. (Foto: Jocimar Justino/Arquivo pessoal)

O foguete chinês sem controle, que caiu na noite de sábado (8) no Oceano Índico, foi visto no céu catarinense. A câmera de monitoramento de uma estação em Monte Castelo, no Norte do Estado, registrou o objeto passando pouco após as 18h30 de sexta-feira (7).

Segundo Marcelo Zurita, diretor técnico da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon), o foguete foi observado entre quinta (6) e sábado (8) também no Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, além de Santa Catarina.

Destroços

Os destroços do foguete da China, cuja reentrada na atmosfera era esperada há alguns dias, caíram no oceano a oeste do arquipélago das Maldivas, informou a mídia estatal chinesa no início da madrugada deste domingo (9). A maior parte dos componentes se desintegrou pelo forte atrito com o ar.

As partes do foguete Longa Marcha 5B, de 18 toneladas, reentraram na atmosfera às 10h24, horário de Pequim, final da noite de sábado (8) no Brasil, e caíram nas coordenadas de 72,47° de longitude leste e 2,65° de latitude norte, informou o Escritório Chinês de Engenharia Espacial em comunicado.

As coordenadas colocam o ponto de impacto no oceano, a oeste do arquipélago das Maldivas.

O Space-Track, baseado em dados militares dos Estados Unidos, também confirmou a entrada na atmosfera da nave descontrolada e o local da queda.

As autoridades chinesas alegaram que o giro fora de controle do segmento do Long March 5B representou pouco perigo.

Estação Espacial

O país asiático colocou em órbita o primeiro módulo de sua estação espacial em 29 de abril, graças ao foguete Longa Marcha 5B – o mais poderoso e imponente lançador chinês. Foi a primeira parte deste foguete que retornou à Terra.

Mais 10 missões semelhantes estão programadas até o fim da construção da estação, em 2022.

Avanço espacial chinês

Em 2020, destroços de outro foguete chinês caíram em vilarejos na Costa do Marfim, causando danos, mas sem feridos. Em abril de 2018, o laboratório espacial chinês Tiangong-1 se desintegrou ao entrar na atmosfera, dois anos depois de parar de funcionar.

A China vem investindo bilhões de dólares em seu programa espacial há várias décadas. O país asiático enviou seu primeiro astronauta ao espaço em 2003. No início de 2019, pousou um robô no lado oculto da Lua.

No ano passado, trouxe amostras da Lua e finalizou o Beidou, seu sistema de navegação por satélite (concorrente do GPS americano). Pequim planeja pousar um robô em Marte nas próximas semanas e também anunciou sua intenção de construir uma base lunar com a Rússia.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Sinal digital de TV já chega a 90% dos brasileiros, diz governo
Pesquisa da UFMG mostra aprofundamento de desigualdades na infância durante a pandemia
Deixe seu comentário
Pode te interessar