Sábado, 04 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Mundo Diretor de prisão e mais 30 são detidos após fuga do PCC no Paraguai

Sacos com terra retirada por presos na escavação de túnel para escapar do presídio no Paraguai.

Foto: Reprodução/Fiscalía Paraguay
Sacos com terra retirada por presos na escavação de túnel para escapar do presídio no Paraguai. (Foto: Reprodução/Fiscalía Paraguay)

O diretor do presídio de Pedro Juan Caballero e outros 30 agentes carcerários — de diferentes níveis hierárquicos — estão detidos. Eles são suspeitos de terem facilitado a fuga de 75 integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), na madrugada de domingo (19). As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O governo paraguaio já havia anunciado os afastamentos de Joaquín González, diretor-geral de estabelecimentos penitenciários; Matías Vargas, chefe da Segurança; Cristian González, diretor da prisão, além de cinco agentes penitenciários.

Três promotoras estão à frente das investigações pelo MP paraguaio: Reinalda Palácios, Irene Álvarez e Fabiola Molas. Elas foram, na tarde deste domingo, ao presídio fazer vistoria. Após a vistoria, elas pediram a detenção dos 31 para esclarecimentos, segundo informou o MP ao UOL.

“Com a autorização judicial e acompanhamento das juízas de execução Dalmi Gómez e a juíza de sentença Carmen Silva, foram apreendidos celulares para cruzamento de chamadas e análise de informações, tanto das pessoas detidas como de aparelhos celulares encontrados em um escritório invadido”, informou a Promotoria, em nota.

A juíza de execução ordenou, de forma provisória, que os outros 81 presos do pavilhão que não fugiram fiquem num pavilhão contíguo. Os procedimentos do MP foram realizados em conjunto com a Polícia Nacional.

O ministro do Interior, Euclides Acevedo, afirmou que Brasil e Paraguai estão trabalhando juntos para tentar recapturar os 75 criminosos. Para ele, houve claro envolvimento dos agentes penitenciários.

“Estamos trabalhando com a hipótese de que houve uma liberação de presos. A cumplicidade pessoal dos agentes não é só verossímil, como é quase evidente”, afirmou.

No domingo, a ministra da Justiça do Paraguai, Cecilia Pérez, colocou seu cargo à disposição do presidente, Mario Abdo Benítez, o que não foi acatado de início.

“A responsabilidade política deste ministério é minha. E eu trabalho e devo ao presidente, à sociedade e opinião pública. O presidente tomará a decisão que tiver de tomar”, informou a ministra, por meio de nota.

A ministra disse, no entanto, que o presidente determinou que ela siga trabalhando para reverter a situação, considerada pelo governo como grave, para que “se determinem as responsabilizações e que sejam processadas as pessoas envolvidas”.

Fuga de membros do PCC Na madrugada deste domingo, 75 homens presos em Pedro Juan Caballero, acusados de integrar ou colaborar com o PCC, fugiram através de um túnel cavado. Apenas um deles, que seria o 76º a fugir, foi detido.

Segundo o Ministério da Justiça, dos 75 fugitivos, 40 são brasileiros. O ministro do Interior, Euclides Aceved, afirma, desde domingo, que houve, possivelmente, auxílio de agentes penitenciários para a fuga.

O ministro afirmou que o túnel pode ter sido apenas uma fachada para ocultar um possível auxílio. Entre a saída do túnel cavado e uma guarita, há distância de apenas 25 m. Outra guarita está a 70 m do local.

Em dezembro do ano passado, o governo paraguaio havia identificado um suposto plano de fuga de membros do PCC no presídio da cidade. A suspeita é de que a facção brasileira tinha oferecido US$ 80 mil a agentes penitenciários e policiais.

 

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Porto Alegre mantém meta da ONU na redução de mortes no trânsito
Explosão em posto de gasolina em Caxias do Sul causa uma morte
Deixe seu comentário
Pode te interessar