Domingo, 26 de maio de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Estrangeiros dominam aquisições de empresas no País; cenário global mais conturbado atraiu o capital externo

Compartilhe esta notícia:

Compra de empresa brasileira por estrangeiro cresce e é a maior da década. (Foto: Reprodução)

Enquanto os brasileiros decidiram preservar o caixa em 2023, os investidores internacionais foram às compras no mercado nacional. Levantamento do escritório RGS Partners, especializado em fusões e aquisições (M&A na sigla em inglês), mostra que a participação dos estrangeiros nas operações foi a maior da década no Brasil e representou 47% das transações.

De 20% em 2020, o porcentual subiu para 38% em 2021 e para 43% em 2022. O apetite do investidor internacional, em valores, foi ainda maior e chegou a 58% do total em 2023, ante 29% de 2022.

Sócio da RGS Partners, Fábio Jamra diz que o mercado brasileiro ganhou relevância devido ao conturbado cenário macroeconômico global. “Rússia e China tiveram menos investimentos do investidor estrangeiro, e os EUA passaram por um período de inflação. Com isso, a América Latina, sobretudo o Brasil, se tornou mais interessante para o investidor internacional, o que também ocorreu com a Índia.”

Entre as operações que marcaram a participação dos estrangeiros em negócios brasileiros estão a aquisição da Aesop (Natura) pela L’Oreal, Liberty Seguros pela HDI International e Mineração Rio do Norte pela Glencore.

Nas operações ligadas ao mercado de tecnologia, o setor de maior destaque foi o de fornecimento de plataformas tecnológicas para o segmento bancário ou para empresas que fazem a “bancarização” de aplicativos. Enquanto Pismo e Sinqia foram compradas, respectivamente, por Visa e Evertec, o maior aporte em startup no País em 2023 foi a rodada de R$ 1 bilhão liderada pelo fundo General Atlantic na QI Tech.

“A Série B da QI Tech mostra que boas oportunidades ainda atraem capital. A esperança é que a rodada ajude o ecossistema inteiro de startups, posicionando as companhias da América Latina em destaque no mercado de investimentos global”, diz Marcelo Bentivoglio, fundador e diretor financeiro da QI Tech.

O aporte na empresa permitiu uma operação de M&A no mercado interno: a aquisição da Singulare, corretora de administração que tem mais de R$ 100 bilhões sob custódia e 1 mil fundos gerenciados.

No caso da Sinqia, a aquisição de R$ 2,5 bilhões pela Evertec, processadora de transações baseada em Porto Rico, levou a companhia a fechar capital na B3, pagando prêmio de 20% sobre o valor dos papéis na Bolsa. Com o negócio, a Sinqia vai reforçar a presença da Evertec no País e ampliar a participação para mercados que vão além do Brasil.

Filipe Bodenmuller, diretor de estratégia e M&A da Sinqia, diz que a venda da empresa foi um movimento estratégico. Há complementaridade entre a atuação da Evertec e da Sinqia, que permitem a venda cruzada de produtos de uma para a outra.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Contribuintes que devem até R$ 50 milhões à Receita Federal podem participar de nova fase do programa “Litígio Zero” a partir desta segunda
“Fuga de cérebros”: em dez anos, 3 milhões de brasileiros saíram do País
https://www.osul.com.br/estrangeiro-domina-aquisicoes-de-empresas-no-pais-cenario-global-mais-conturbado-atraiu-o-capital-externo/ Estrangeiros dominam aquisições de empresas no País; cenário global mais conturbado atraiu o capital externo 2024-03-31
Deixe seu comentário
Pode te interessar