Sábado, 12 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Mundo EUA autorizam vacina da Pfizer e BioNTech contra a Covid-19 para adolescentes entre 12 a 15 anos

Compartilhe esta notícia:

O imunizante já estava em uso em maiores de 16 anos nos EUA.

Foto: EBC
Essa passa a ser a norma utilizada pelos profissionais de saúde ao manusear o imunizante no País. (Foto: EBC)

A FDA — agência reguladora de medicamentos nos Estados Unidos — autorizou nesta segunda-feira (10) o uso em caráter emergencial da vacina Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 para adolescentes de 12 a 15 anos.

O imunizante já estava em uso em maiores de 16 anos nos EUA. O País, inclusive, já está vacinando toda a população acima dessa idade desde abril. O presidente Joe Biden prometeu, na semana passada, chegar a 70% da população adulta imunizada com ao menos uma dose até 4 de julho — feriado de Independência.

Em nota, a FDA reconheceu que crianças e adolescentes geralmente têm formas mais leves da Covid-19 do que adultos, mas apontou: os EUA tiveram cerca de 1,5 milhão de casos de coronavírus em jovens entre 11 e 17 anos entre março de 2020 e abril de 2021.

“Ter uma vacina autorizada para uma população mais jovem é um passo essencial para continuar diminuindo a imensa pressão no sistema público de saúde causado pela pandemia”, disse o médico Peter Marks, diretor do Centro de Avaliação e Pesquisa Biológica da FDA.

Eficácia de 100% em jovens

Os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram em 31 de março que sua vacina contra a Covid-19 demonstrou eficácia de 100% nos adolescentes com idades entre 12 e 15 anos. No mês seguinte, as empresas entraram com pedido de autorização emergencial do imunizante nos EUA, deferido nesta segunda.

O estudo foi feito com 2.260 adolescentes de 12 a 15 anos nos Estados Unidos. No ensaio, 18 casos de Covid-19 foram observados no grupo placebo contra nenhum no grupo vacinado. Segundo o comunicado, os resultados apontaram forte imunogenicidade em um subconjunto de adolescentes um mês após a aplicação da segunda dose.

Também em março, as farmacêuticas começaram também os testes em crianças de 6 meses a 11 anos de idade. Os estudos de fase 1/2/3 contínuo visam a avaliar ainda mais a segurança, tolerabilidade e imunogenicidade da vacina em três grupos de idade: 5 a 11 anos, 2 a 5 anos e 6 meses a 2 anos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Supremo dá prazo para Anvisa detalhar documentos pendentes da Sputnik V
OMS classifica variante indiana da Covid-19 como “preocupação global”
Deixe seu comentário
Pode te interessar