Terça-feira, 21 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Showers in the Vicinity

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Porto Alegre Carrefour fecha acordo de 115 milhões de reais para políticas de combate ao racismo após morte de homem em Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

João Alberto Freitas foi morto por seguranças em novembro do ano passado

Foto: Reprodução
A simulação aconteceu na unidade do Carrefour onde João Alberto foi morto em novembro do ano passado. (Foto: Reprodução)

O Ministério Público do Rio Grande do Sul, Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública do Estado, Defensoria Pública da União e as entidades Educafro – Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes e Centro Santo Dias de Direitos Humanos firmaram, na noite de sexta-feira (11), um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o Carrefour no valor de R$ 115 milhões para o estabelecimento de políticas de enfrentamento ao racismo.

Trata-se do maior TAC assinado no que se refere aos valores envolvidos e destinados a políticas de reparação e promoção de igualdade racial no Brasil. “Estamos transformando um fato triste, a perda da vida do João Alberto, em algo construtivo, na intenção de que isso não se repita”, disse a promotora de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos, Gisele Müller Monteiro, que assina o termo pelo MPRS.

De acordo com ela, foram seis meses de negociações semanais diretas com os movimentos sociais representativos da população negra e demais entidades que assinam o TAC, de forma a construir um plano de atuação que dialogasse com as demandas sociais dos movimentos negros e para que o acordo, de fato, impactasse a sociedade e trouxesse pessoas negras, pardas e indígenas para posições de liderança e de igualdade.

O acordo decorre da morte de João Alberto Silveira Freitas, ocorrida no dia 19 de novembro de 2020, no Carrefour da Zona Norte de Porto Alegre. Também assina o TAC pelo MPRS a subprocuradora-geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, Angela Salton Rotunno.

Para o procurador-geral de Justiça, Marcelo Lemos Dornelles, o acordo tem uma importância simbólica na luta contra o racismo estrutural, principalmente pela repercussão do que foi acordado que diz respeito à capacitação e orientação em relação ao tema. Dornelles ressalta, ainda, a agilidade e rapidez da atuação interinstitucional. “Se o caso estivesse sendo tratado em âmbito judicial, o processo poderia levar décadas até chegar a uma decisão final”, destaca ele.

O que prevê o TAC

O Termo de Ajustamento de Conduta assinado prevê a execução, pelo Carrefour, de um Plano Antirracista, a partir do estabelecimento de diversas medidas internas e de impacto social, incluindo protocolos de segurança, relações de trabalho, canal de denúncias, treinamentos para dirigentes e trabalhadores em relação a atos de discriminação e racismo estrutural.

Também inclui compromissos em relação à cadeia ou rede de fornecedores e reparação de danos morais coletivos. Nesse sentido, o valor acordado terá como destino iniciativas como a oferta de bolsas de educação formal (R$ 74 milhões), contribuição para projeto museológico, campanhas educativas e projetos sociais de combate ao racismo (R$16 milhões), além de projetos de inclusão social (R$ 10 milhões), entre outras.

Entenda o caso

Após o espancamento que resultou na morte de João Alberto Silveira de Freitas nas dependências de um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre, em novembro do ano passado, os órgãos públicos signatários instauraram procedimentos com o fim de apurar a responsabilidade civil por danos morais coletivos, bem como o funcionamento de mecanismos de segurança privada.

João Alberto, um homem negro, fazia compras com a esposa quando foi abordado violentamente por dois seguranças no estabelecimento. Ele foi agredido com chutes e socos por mais de cinco minutos, sufocado e não resistiu. O espancamento foi registrado em vídeo por uma câmera de celular. A morte violenta de João Alberto ocorreu às vésperas do Dia da Consciência Negra, 20 de novembro.

Fiscalização 

As medidas acordadas serão fiscalizadas pelos órgãos compromitentes, verificadas por auditoria externa independente e aquelas destinadas à seleção de projetos e concessão de bolsas implementadas por meio de editais públicos.

tags: POA

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Ex-vice-presidente do Brasil, Marco Maciel morre aos 80 anos
Campanha de conscientização contra o trabalho infantil é intensificada em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar