Sábado, 17 de Abril de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy

Economia O governo federal arrecada mais de 3 bilhões de reais com o leilão de 22 aeroportos, incluindo Bagé, Pelotas e Uruguaiana

Compartilhe esta notícia:

Pregão foi realizado nesta quarta-feira (7) na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Divulgação/Anac)

Em leilão realizado nesta quarta-feira (7) na Bolsa de Valores de São Paulo, o governo federal arrecadou R$ 3,3 bilhões com a concessão de 22 aeroportos à iniciativa privada em 12 Estados. O lote relativo à Região Sul inclui as unidades de Bagé, Pelotas e Uruguaiana, arrematadas pelo Grupo CCR Viasul, que já administra a Freeway e outras rodovias gaúchas.

A concorrência organizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) foi vencida, nesse caso, com uma oferta de R$ 2,1 bilhões feita pela Companhia de Participação em Concessões (CPC), vinculada à CCR. O valor superou com margem superior a 1.500% o lance mínimo (R$ 130 milhões) exigido por essas e outras seis unidades.

No bloco Sul foram concedidos os terminais de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS). O valor mínimo para esse lote era de R$ 130,2 bilhões.

Blocos Central e Norte

Já o bloco Norte abrange os aeroportos de Manaus (AM), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR). O lance mínimo havia sido estipulado em 47,9 milhões.

O bloco Central, por sua vez, é composto pelos aeroportos de Goiânia (GO), São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA). O lance mínimo era de R$ 8,1 milhões.

O Ministério da Infraestrutura espera que os terminais, por onde circulam cerca de 24 milhões de passageiros por ano, recebam aproximadamente R$ 6,1 bilhões em investimentos. Devem ser investidos R$ 2,85 bilhões no bloco Sul, R$ 1,8 bilhão no Central e R$ 1,4 bilhão no Norte. Os contratos de concessão tem validade de 30 anos.

Com a palavra, o ministro

“A gente está celebrando a vitória da ousadia, do trabalho e da infraestrutura”, afirmou ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Segundo ele, o Brasil soube sair na frente ao manter os leilões para esta semana, enquanto outras nações suspenderam as negociações previstas: “Estou muito feliz de ver grupos importantes participando. Isso é o maior sinal de prestígio, sinal de confiança no País”.

“Investimento na infraestrutura aeroportuária é fundamental para nossa estratégia de crescimento da aviação civil. Que coisa boa ter a Vinci operando na região Norte, onde o transporte aéreo é fundamental para conectar as pessoas ao restante do país. E como é bom ver a CCR operando aeroportos. E que apetite! Um grande grupo, que tem feito um grande trabalho”, elogiou o ministro.

Na avaliação do titular da pasta, o resultado positivo também se deve a atuação da Anac durante a pandemia: “A Agência veio com medidas de proteção de caixa para companhias aéreas e, também, para as concessionárias de aeroportos. Atuou no reperfilamento das outorgas, no reequilíbrio econômico-financeiro, e tudo isso de uma maneira muito rápida”.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Reduzir os impostos dos carros importados é uma questão de sobrevivência, diz associação dos importadores
Impacto do novo Auxílio Emergencial no comércio brasileiro deve ser oito vezes menor do que em 2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar