Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fair

CAD1 Imagens pornográficas infectaram jogos infantis disponíveis na loja virtual Google Play

Compartilhe esta notícia:

Empresa tem sido pressionada a ampliar medidas de proteção para o segmento infantojuvenil. (Foto: Reprodução)

Fotografias de conteúdo pornográfico foram encontradas pela empresa de cibersegurança Check Point em aplicativos de jogos para crianças na loja virtual Google Play. De acordo com peritos, os games foram afetados por um código de software malicioso intitulado “AdultSwine”.

Os analistas encontraram 63 aplicativos afetados por imagens mascaradas como se fossem anúncios. “Removemos os aplicativos do [Google] Play, desativamos as contas dos programadores e vamos continuar a exibir alertas incisivos para todos os que os instalaram”, disse um porta-voz do Google.

A Check Point explicou que o “AdultSwine” (suíno adulto, em inglês) faz com que imagens pornográficas fiquem surgindo durante alguns jogos para crianças, entre os quais o aplicativo de corridas de carros que leva o nome do personagem Relâmpago McQueen, da Disney, que segundo o Google foi baixado pelo menos 500 mil vezes.

Além de exibir conteúdo pornográfico, o AdultSwine também tem janelas que pipocam com a mensagem de que um vírus infectou o aparelho e pedem ao usuário para baixar outro aplicativo que supostamente o removeria. Trata-se, entretanto, de um falso aplicativo de segurança que também contém um software malicioso.

O AdultSwine também pode custar dinheiro às vítimas, ao induzir os usuários a permitir que aplicativo envie mensagens de texto especiais que são cobradas na conta do telefone celular.

Um sistema de segurança chamado Google Play Protect supostamente deveria defender os usuários do sistema operacional Android, do Google, ao escanear os aplicativos em busca de softwares mal-intencionados. Segundo o Google, o sistema também examina todos os programadores de aplicativos no Google Play.

O número de aplicativos no Google Play, no entanto, é estimado em mais de 3 milhões, segundo a firma de análises estatísticas Statista, de forma que os códigos de programas maliciosos algumas vezes apenas são detectados e denunciados por usuários ou firmas de cibersegurança.

Analistas da Check Point disseram que pelo menos uma avaliação, deixada por um pai na loja Google Play em novembro, havia reclamado sobre o aparecimento de figuras pornográficas em um aplicativo de jogos que seu filho de quatro anos estava usando.

No passado, receios de que o Google depende excessivamente das denúncias de conteúdo inapropriado dos usuários levaram a empresa a agir. Em dezembro, o YouTube informou que o Google planejava aumentar o número de funcionários encarregados de analisar os vídeos para mais de 10 mil.

Insatisfação

A descoberta das imagens chega em meio ao aumento das pressões sobre o Google para empenhar-se mais na proteção ao público infanto-juvenil no mundo digital – pais e anunciantes já acusam o YouTube.com de não fazer o suficiente para impedir o acesso a conteúdo violento e inapropriado, por exemplo.

Em 2017, a indignação com vídeos chocantes direcionados a crianças e adolescentes obrigou o site a extinguir o canal ToyFreaks, que contava com pelo menos 8 milhões de seguidores.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de CAD1

Quase nu, Neymar é fotografado só de toalha e causa alvoroço na internet
Dupla de Capão da Canoa vence o 3º Torneio de Bocha na Areia
Deixe seu comentário
Pode te interessar