Segunda-feira, 14 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Política Médico Marcelo Queiroga toma posse como ministro da Saúde

Compartilhe esta notícia:

Queiroga (E) substituiu o general Eduardo Pazuello (D)

Foto: Reprodução de TV
Queiroga (E) substituiu o general Eduardo Pazuello (D). (Foto: Reprodução de TV)

O presidente Jair Bolsonaro empossou, nesta terça-feira (23), o médico Marcelo Queiroga como o novo ministro da Saúde. A cerimônia foi discreta, no Palácio do Planalto, e não constava na agenda oficial do chefe do Executivo.

Queiroga substituiu o general Eduardo Pazuello no comando da pasta. A troca na chefia do Ministério da Saúde foi anunciada na semana passada.  O cardiologista aceitou o convite de Bolsonaro no dia 15. Desde então, ele tem participado de uma série de reuniões com Pazuello, lideranças sanitárias e políticos para firmar a transição da gestão.

Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga é o quarto ministro da Saúde desde o começo da pandemia de Covid-19, há pouco mais de um ano. Antes dele, comandaram o ministério o médico e ex-deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), o médico Nelson Teich e o general Pazuello.

Queiroga é natural de João Pessoa (PB). Formado em medicina pela Universidade Federal da Paraíba, ele fez residência em cardiologia no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Tem especialização em cardiologia, com área de atuação em hemodinâmica e cardiologia intervencionista.

Em dezembro do ano passado, Queiroga foi indicado por Bolsonaro para ser um dos diretores da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). A indicação não chegou a ser votada pelo Senado.

No currículo enviado à Casa, Queiroga informou ser diretor do Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Alberto Urquiza Wanderley, em João Pessoa, e cardiologista do Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, em Santa Rita (PB).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Justiça suspende a tramitação da reforma da Previdência dos funcionários municipais de Porto Alegre
Supremo nega pedido de Bolsonaro para derrubar restrições impostas pelos governos do RS, da Bahia e do Distrito Federal
Deixe seu comentário
Pode te interessar