Sábado, 29 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Brasil Ministério do Turismo anula verba empenhada para “traidores” de Dilma

Foi cancelada a liberação de recursos negociados junto a deputados que acabaram votando a favor do impeachment da presidenta (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

O Ministério do Turismo cancelou a liberação de recursos negociados junto a deputados que acabaram votando a favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Ao todo, a pasta anulou na segunda-feira (02) um total de R$ 15,9 milhões empenhados, ou seja, oficialmente previstos para pagamento pela administração federal.

As destinações haviam sido acertadas, segundo o Portal da Transparência, entre os dias 11 e 15 de abril, às vésperas da votação do impeachment da presidenta na Câmara, que ocorreu no dia 17. Os recursos estavam distribuídos entre seis municípios das regiões Norte e Nordeste. Também houve o cancelamento de R$ 1,7 milhão que seriam destinados a Tocantins. As datas dos empenhos coincidem com o período em que o governo atuou intensamente para tentar barrar a aprovação do afastamento de Dilma pelos deputados.

Os recursos não foram carimbados como “emenda parlamentar”, indicação de verba no sistema orçamentário. Todos foram negociados pessoalmente pelos deputados com a cúpula da pasta. A maioria dos cortes do Turismo teve como alvo integrantes do PMDB, mas há filiados a outras siglas que também foram favoráveis ao afastamento de Dilma na lista.

O deputado Hissa Abrahão (PDT-AM), por exemplo, fez indicações de recursos para as cidades de Borba (AM) e Japurá (AM). Cada prefeitura deveria receber R$ 1,56 milhão para “apoio a projetos de infraestrutura turística”.

Além das duas cidades de Amazonas, os outros alvos do corte foram os municípios de Coruripe (AL), Lagarto (SE), Montes Claros (MG) e Chapadinha (MA). As indicações de verba variam de R$ 780 mil a R$ 3,9 milhões, valores considerados altos para os padrões do Turismo.

Só a cidade sergipana de Lagarto perdeu R$ 5,07 milhões que estavam previstos em quatro notas de empenho atribuídas a negociações entre a pasta e o deputado Fábio Reis (PMDB-SE). Elas foram programadas no sistema dia 15 de abril e canceladas no dia 2 de maio. Procurado, ele não foi encontrado.

Entre os recursos cancelados, apenas o empenho para Tocantins entrou no sistema orçamentário após a aprovação do impeachment. A aprovação da promessa de pagamento foi oficializada no sistema 19 de abril, dois dias depois da votação na Câmara.

Procurada, a assessoria da pasta negou que a anulação dos empenhos tenha motivação política. “O cancelamento dos empenhos foi feito para adequar os compromissos da pasta à realidade orçamentária e financeira da mesma”, informou por meio de nota. (Folhapress)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Supremo julga nesta quinta-feira pedido para afastar Cunha do comando da Câmara dos Deputados
Ministro do Supremo determina o afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara e do mandato de deputado federal
Deixe seu comentário
Pode te interessar