Quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Bem-Estar O consumo excessivo de álcool pode prejudicar o sistema imunológico

Compartilhe esta notícia:

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode resultar em prejuízos diversos ao organismo, afetando inclusive o sistema imunológico. (Foto: Reprodução)

O consumo de bebida alcoólica interfere na possibilidade de contrair o coronavírus? Há um limite de ingestão de álcool acima do qual a pessoa fique mais suscetível ao contágio?

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode resultar em prejuízos diversos ao organismo, afetando inclusive o sistema imunológico, conforme explica Helio Vannucchi, médico e professor titular sênior da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP.

Especialista em alcoolismo, ele explica que a OMS (Organização Mundial da Saúde) estabelece como aceitável o consumo diário de uma dose para mulheres e duas doses para homens. A recomendação geral de especialistas para pessoas saudáveis é não ultrapassar 30 gramas de etanol por dia, quantidade que o sistema enzimático tem capacidade para metabolizar.

No Brasil, o teor alcoólico da cerveja é de cerca de 3,5% a 5%, o que significa que pode ter até 18 gramas de etanol. No caso do vinho, a concentração é de 11% – que pode variar conforme a uva e região de origem – o que corresponde a 10 gramas. Já em bebidas destiladas, esse teor chega a 45% no caso do uísque e 40% na cachaça, o equivalente a 25 gramas.

“Quem costuma beber diariamente mais de duas latas de cerveja ou duas doses de destilado, como uísque ou cachaça, deve ser informado de que o nível de álcool presente nessas quantidades está acima do recomendado pela OMS e pode causar danos ao organismo”, afirma Vannucchi.

O médico explica que o excesso o etanol compromete o sistema nervoso, podendo causar alterações psíquicas ou comprometer movimentos, reflexos e coordenação, eleva os batimentos cardíacos, aumenta a pressão arterial, causa lesões no sistema digestivo e compromete o pâncreas e o fígado, principal órgão afetado, podendo ocasionar acúmulo de gordura, que pode evoluir para cirrose ou mesmo câncer.

Além dessas patologias, o consumo em excesso também interfere no sistema imunológico. “Ocorre interferência no funcionamento das células como leucócitos, monócitos e outras muito importantes no sistema imunitário. Verifica-se igualmente a existência de alterações dos níveis de citocinas, que sinalizam a atividade do sistema imune”, diz.

No caso da infecção pelo novo coronavírus, é preciso considerar ainda que o alto grau de estresse geral certamente influencia a resposta imunológica, acrescenta Vannucchi.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Deputados aprovam projeto que facilita a inscrição em programa que diminui o preço da conta de luz
“O desafio é ter recursos e competência para evitar a fome”, diz prefeito de Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar