Sábado, 19 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Mostly Cloudy

Mundo O governo do Líbano anunciou a renúncia de todos os membros do gabinete que administra o país

Compartilhe esta notícia:

O premiê disse que desastre na capital é "resultado de corrupção endêmica" no país. (Foto: Reprodução de vídeo)

O primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, renunciou nessa segunda-feira (10). Ministros de seu governo estavam abandonando seus postos em consequência da megaexplosão no porto de Beirute, na semana passada, e em meio a uma onda de protestos que começou no fim de semana.

Pouco antes do anúncio, ele afirmou que a explosão foi resultado de corrupção endêmica no governo. Em um discurso curto transmitido pela TV, ele afirmou que vai dar “um passo para trás para poder estar com o povo e lutar por mudanças junto com as pessoas”.

O presidente do país, Michel Aoun, aceitou o pedido de demissão do premiê libanês mas anunciou, em um pronunciamento televisionado, ter pedido a Diab que seguisse trabalhando de maneira interina até a formação de um novo governo.

A renúncia foi anunciada em mais um dia de protestos no Líbano, enquanto manifestantes que faziam ato no centro revitalizado de Beirute atiravam pedras em agentes de segurança que tentavam proteger a entrada do Parlamento. As forças do Estado respondiam ao protesto com gás lacrimogêneo.

No fim de semana, moradores da capital do país começaram a protestar contra o governo. Diab enfrentou pressão crescente para deixar o cargo. Ele havia dito, no sábado (8), que solicitaria eleições parlamentares antecipadas.

Explosão

A explosão de mais de quase 3 mil toneladas de nitrato de amônio, em 4 de agosto, matou pelo menos 163 pessoas, feriu mais de 6 mil e destruiu partes da movimentada capital mediterrânea, combinando meses de colapso político e econômico.

O gabinete, formado em janeiro com o apoio do poderoso grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã e seus aliados, se reuniu com muitos ministros querendo renunciar, de acordo com fontes ministeriais e políticas.

Os ministros da Informação e Meio Ambiente renunciaram no domingo (9). A mesma decisão foi tomada pela ministra da Justiça e vários legisladores do país, que se demitiram nessa segunda.

ministro das Finanças Ghazi Wazni, um negociador chave com o FMI sobre um plano de resgate para ajudar o Líbano a sair de uma crise financeira, preparou sua carta de renúncia e a trouxe para uma reunião de gabinete, disse uma fonte próxima a ele e à mídia local.

O gabinete decidiu encaminhar a investigação da explosão ao conselho judicial, a mais alta autoridade legal cujas decisões não podem ser apeladas, disse uma fonte ministerial e a agência de notícias estatal NNA. O conselho geralmente trata dos casos de segurança máxima.

Responsabilidade

O presidente do Líbano havia dito que o material explosivo foi armazenado sem segurança durante anos no porto. Depois, afirmou que a investigação consideraria se a causa foi alguma interferência externa, negligência ou um acidente.

O governador de Beirute afirmou que muitos trabalhadores e motoristas de caminhões estrangeiros permaneciam desaparecidos e se presume que estejam entre os mortos, complicando as tentativas de identificar as vítimas.

As manifestações contra o governo nos últimos dias foram as maiores desde outubro, quando houve protestos contra a crise econômica enraizada em corrupção endêmica, desperdícios e má gestão. Manifestantes acusaram a elite política de usar os recursos do Estado em benefício próprio.

O secretário-geral da ONU, escreveu uma mensagem de apoio ao Líbano em uma rede social. “O Líbano é resiliente. O Líbano tem um espírito e uma vontade imensos. E o Líbano não está sozinho. A ONU estará com o Líbano para ajudar a aliviar o sofrimento imediato e apoiar a recuperação.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

O número de mortos nas explosões registradas na área portuária de Beirute está em 220
Eleição nos Estados Unidos 2020: Quem está na frente nas pesquisas? Donald Trump ou Joe Biden?
Deixe seu comentário
Pode te interessar