Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Economia O medo de uma segunda onda de contágio pelo coronavírus pode retardar a retomada do setor de serviços no Brasil

Compartilhe esta notícia:

Para Roberto Campos Neto, o receio da população pode comprometer a retomada no setor terciário, que engloba atividades como turismo, bancos e restaurantes. (Foto: Reprodução TV Senado)

O medo de uma segunda onda de contágio pelo coronavírus pode retardar a retomada do setor de serviços até meados de 2021. A estimativa é do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que participou nesta segunda-feira (1) de uma audiência pública remota da comissão mista do Congresso Nacional que acompanha as medidas adotadas pelo governo federal no enfrentamento da pandemia.

Segundo ele, o tráfego de pessoas na rua no horário de pico em países como Suécia, China, Estados Unidos, Espanha e Itália permanece abaixo da média de 2019. Isso, de acordo com Roberto Campos Neto, indica que o “fator medo” pode comprometer a retomada no setor terciário, que engloba atividades como turismo, bancos, restaurantes e corretagem de imóveis, por exemplo.

Independentemente do lugar, a gente não conseguiu voltar ao nível de fluxo que tinha em 2019. A mensagem que fica é a seguinte: tem um elemento de fator medo na população que, mesmo depois que a quarentena for encerrada ou diminuída, o fluxo de pessoas vai demorar a voltar. Esse fator medo existe hoje na população e vai ficar com a gente até que haja uma vacina facilmente disponível ou pelo menos, eu diria, até o meio do ano que vem. Isso é importante para entender que a volta em alguns setores de serviços vai ser mais lenta.”

Dados preliminares do Banco Central apontam para uma queda superior a 50% nas vendas no varejo. Embora setores como metalurgia, alimentos e bebidas tenham demonstrado alguma recuperação, no setor de serviços a redução bateu os 80% e tem demorado a reagir.

A parte de não duráveis caiu pouco e já está recuperando bem. Os serviços têm uma recuperação mais lenta. Essa parte de serviços ligada a diversão, participação em eventos e turismo, muito provavelmente vai voltar um pouco mais lenta.”

Roberto Campos Neto registrou que a pandemia provocou uma expressiva saída de capitais de mercados emergentes. Foram cerca de US$ 90 bilhões retirados da economia, um choque superior ao causado pela crise econômica de 2008. O Brasil está entre os emergentes que experimentou um dos maiores fluxos de capitais, o que impactou o câmbio. De 20 moedas analisadas pelo Banco Central, o Real teve a maior desvalorização em 2020: -24,7%.

A saída do Brasil foi maior do que média dos mercados emergentes. É uma mensagem de que a parte de financiamento externo não é uma variável que nós podemos contar no curto prazo. A gente teve uma queda muito grande em março. Foi uma das maiores quedas. O Brasil foi o país que mais sofreu com a desvalorização da moeda nos mercados emergentes, seguido de perto pela África do Sul.”

O presidente do Banco Central detalhou ainda o estrago gerado pela pandemia em indicadores como desemprego, variação do produto interno bruto (PIB) e consumo das famílias. O saldo médio de empregos em março deste ano foi negativo em 221,4 mil postos de trabalho. Em abril, foram mais 936,2 mil demissões.

A gente vê como sem precedentes uma queda deste tamanho. Se você olhar esse gráfico em vários países do mundo, vai ter essa mesma sensação. Uma queda muito forte e muito rápida de emprego.”

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou uma queda de 5,9% em março. O dado, impactado pelo efeito financeiro gerado pela pandemia, é considerado como uma prévia do PIB para o período. Na comparação anual, o IBC-Br aponta uma queda de 1,52%. Embora o agronegócio registre crescimento de 0,6% no primeiro trimestre, indústria e serviços retraíram -1,4% e -1,6%, respectivamente.

Uma queda muito grande em março. O IBC-Br inclusive foi abaixo daquele mês muito ruim com a greve dos caminhoneiros, quando a atividade econômica parou durante um tempo.”

O efeito da pandemia também impacta o consumo das famílias. No primeiro trimestre, o indicador caiu 2%. “Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias caiu bastante, mesmo com impacto limitado. O que significa que o segundo trimestre deve ser bem pior do que primeiro. A partir do terceiro trimestre esperamos já uma recuperação”, diz. As informações são da Agência Senado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Auxílio emergencial começa a ser creditado na conta de beneficiários
Concessões de crédito atingem quase R$ 1 trilhão, diz Febraban
Deixe seu comentário
Pode te interessar