Segunda-feira, 06 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Cloudy

Geral O prefeito de Nova York estende o toque de recolher para toda a semana

Compartilhe esta notícia:

Em Nova York, manifestante sobe em carro durante protestos pela morte de George Floyd. (Foto: AFP)

A cidade de Nova York, nos Estados Unidos, manterá o toque de recolher até o domingo (7)devido aos diversos roubos de comércios em meio aos protestos contra o racismo e a brutalidade policial após a morte de um homem negro pelas mãos de policiais brancos, anunciou o prefeito Bill de Blasio nesta terça-feira (2).

O toque de recolher foi imposto já na segunda-feira das 23h às 05h, mas não foi respeitado por algumas pessoas que roubaram comércios por toda a cidade, incluindo no coração de Manhattan e na Quinta Avenida.

Nesta terça, o toque de recolher foi marcado para começar mais cedo, às 20h, quando ainda está claro, e para terminar às 05h, afirmou de Blasio.

Majoritariamente pacíficas, as manifestações em todo o país acontecem por causa da morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos, pelas mãos de policiais brancos em Minneapolis há uma semana, durante uma prisão pela compra de cigarros com uma suposta nota falsa.

Porém, pequenos grupos de manifestantes aproveitaram para destruir vitrines de bancos e comércios, além de roubarem lojas luxuosas, principalmente de artigos esportivos e eletrodomésticos.

O governador Andrew Cuomo disse nesta terça em uma coletiva de imprensa que o prefeito subestimou a situação.

“Não usaram força policial suficiente” para proteger o comércio, disse Cuomo. “O que aconteceu nesta última noite em Nova York é indesculpável”, ressaltou.

Cuomo quer enviar membros da Guarda Nacional para reforçar a vigilância da cidade, mas isso deve ser solicitado pelo prefeito, que defende que a forma policial nova-iorquina, com 38.000 agentes, é suficiente para controlar a situação. “Os roubos devem acabar”, insistiu o governador.

Muitas cidades do país decretaram toque de recolher para enfrentar a violência, entre elas Los Angeles, Houston e Washington DC.

Na segunda-feira, o presidente Donald Trump prometeu restaurar a ordem e ameaçou os estados com a mobilização dos militares “para resolver rapidamente o problema” se a violência não parar.

Na segunda-feira à noite, o canal de televisão local NY1 exibiu imagens de jovens que saquearam uma loja de produtos eletrônicos de Nova York e foram detidos pela polícia. Outros estabelecimentos do sul de Manhattan também foram alvos.

Nas redes sociais circulou a notícia de que a loja de departamento Macy’s também foi alvo dos saqueadores, mas a polícia não confirmou a informação e se limitou a afirmar que “várias lojas” foram tomadas como alvos e que centenas de pessoas foram detidas.

O prefeito da cidade afirmou que a situação era “inaceitável” e anunciou então a ampliação do toque de recolher. “Apoiamos os protestos pacíficos na cidade, mas agora é o momento de voltar para casa. Há pessoas que estão nas ruas esta noite não para protestar, e sim para destruir propriedades e provocar danos a outros. Estas pessoas estão sendo detidas, suas ações são inaceitáveis e, portanto, não as permitiremos na cidade”, afirmou De Blasio.

Vários bairros de Nova York foram cenários de saques no fim de semana, principalmente no Soho, uma área rica da cidade, o que levou o prefeito De Blasio e o governador do estado, Andrew Cuomo, a decretar o toque de recolher. As informações são da agência de notícias AFP.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

A morte de George Floyd: conheça quatro fatores que explicam por que o caso gerou uma onda tão grande de protestos nos Estados Unidos
Usaram o nome do bilionário que é dono da rede de lojas Havan para receber o auxílio emergencial de 600 reais concedido pelo governo federal
Deixe seu comentário
Pode te interessar