Terça-feira, 11 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Mostly Cloudy

Geral Polícia Federal prende homem suspeito de ameaçar de morte o presidente da Câmara dos Deputados e ministros do Supremo

Compartilhe esta notícia:

"Ninguém aguenta mais impostos no Brasil", declarou Rodrigo Maia. (Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)

A PF (Polícia Federal) prendeu nesta segunda-feira (13) em Belo Horizonte (MG) um homem suspeito de ameaçar de morte o presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele gravava vídeos dizendo que os derrubariam “na bala” e os deixariam “igual a uma peneira”. A PF disse que as gravações eram publicadas “em ambiente virtual”.

Segurança nacional

O nome do suspeito não foi divulgado pela corporação. Segundo a PF, a ação desta segunda foi deflagrada para combater crimes contra a segurança nacional. O homem foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Investigações, iniciadas em maio deste ano, identificaram um homem que teria proferido ataques a autoridades e instituições. Em vídeos publicados em ambiente virtual, ele teria feito ameaças diretas à vida de determinadas pessoas, citando processo violento ou ilegal, com o fim de obstar o livre exercício dos Poderes da União”, informou a PF.

Calúnia e difamação

Ainda segundo a corporação, “crimes de calúnia e difamação contra diversas autoridades também teriam ocorrido. A Polícia Federal representou por um mandado de busca e apreensão, expedido pela 35ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte e cumprido nesta Capital”.

A PF informou que foram apreendidos computador, aparelho de telefone celular, roupas utilizadas nos vídeos, munições, além de três armas de fogo, estando uma delas registrada em nome de terceiro e com registro vencido, o que ensejou a prisão em flagrante do investigado pelo crime de posse ilegal de arma de fogo de uso permitido, cuja pena máxima é de três anos de reclusão.

13 anos de prisão

Se condenado pelos crimes contra a segurança nacional, calúnia e difamação, o preso poderá cumprir até 13 anos de prisão.

Seguindo todos os protocolos de cuidados do Ministério da Saúde em face da pandemia do Covid-19, a Polícia Federal continua trabalhando para a manutenção da lei e da ordem, preservando o estado democrático de direito”, informou a PF.

No fim da tarde, o homem pagou fiança e vai responder ao processo em liberdade. As informações são do portal de notícias G1 e da PF.

 

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

A Petrobras consegue na Justiça derrubar uma liminar que a obrigava a arcar com custos de funcionários em home office
Governo exonera coordenadora-geral do Inpe responsável por monitorar a devastação na Amazônia
Deixe seu comentário
Pode te interessar