Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Presidente da França anuncia a morte do chefe do Estado Islâmico no Grande Saara

Compartilhe esta notícia:

Presidente da França (foto) disse que Adnan Abu Walid al Sahraoui era considerado o responsável pela maioria dos ataques no Mali

Foto: Divulgação
Presidente da França (foto) disse que Adnan Abu Walid al Sahraoui era considerado o responsável pela maioria dos ataques no Mali (Foto: Divulgação)

O chefe do EIGS (Estado Islâmico no Grande Saara), Adnan Abu Walid al Sahraoui, foi morto por forças francesas, anunciou o presidente da França, Emmanuel Macron, na madrugada desta quinta-feira (16).

“Adnan Abu Walid al Sahraoui, chefe do grupo terrorista do Estado Islâmico no Grande Saara, foi neutralizado pelas forças francesas”, anunciou Macron. Sahraoui era considerado o responsável pela maioria dos ataques no Mali, no Níger e em Burkina Faso. “Trata-se de um novo grande sucesso no combate aos grupos terroristas no Sahel”, disse o presidente francês.

Sahraoui é ex-membro da Frente Polisário no Saara e da Al-Qaeda do Magrebe Islâmico e fundou em 2015 o EIGS, grupo que é classificado pelo governo francês como um “inimigo prioritário” no Sahel.

O Sahel

O Sahel é uma região da África que corta o continente de leste a oeste, entre o deserto do Saara ao norte e a savana do Sudão ao sul. Ela é cenário habitual das ações de dois grupos extremistas: o Estado Islâmico no Grande Saara e o Grupo de Apoio ao Islã e os Muçulmanos, vinculado à Al-Qaeda.

O EIGS já cometeu ataques mortais contra civis e militares na “zona das três fronteiras” (entre o Mali, o Níger e Burkina Faso). Em 9 de agosto de 2020, no Níger, o líder do grupo ordenou pessoalmente o assassinato de seis trabalhadores humanitários franceses e do guia e do motorista nigerianos que os acompanhavam.

Em junho e julho, o exército francês matou ou capturou diferentes altos dirigentes do braço do EIGS. Depois de oito anos de importantes vínculos com o Sahel, o presidente Macron anunciou em junho uma redução da presença militar francesa na zona e o fim da operação antijihadista Barkhane.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

CPI ouve diretor de empresa de planos de saúde acusada de prescrever “kit Covid” ineficaz
Número de afastamentos do trabalho por coronavírus no Brasil dobrou neste ano
Deixe seu comentário
Pode te interessar