Segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Senado aprova projeto que pune ofensa à vítima durante julgamento

Compartilhe esta notícia:

Proposta foi batizada de Lei Mariana Ferrer, blogueira ofendida em audiência de processo em que acusava empresário de estupro

Foto: Divulgação
Proposta foi batizada de Lei Mariana Ferrer, blogueira ofendida em audiência de processo em que acusava empresário de estupro. (Foto: Divulgação)

O Senado aprovou nesta quarta-feira (27) um projeto que amplia a punição para quem constranger vítimas e testemunhas de crimes durante audiências e julgamentos. O texto, já aprovado pela Câmara, segue para sanção presidencial.

A proposta altera o Código Penal para aumentar a pena do crime de coação no curso do processo — quando uma pessoa usa de violência ou grave ameaça durante um processo judicial.

Atualmente, a pena para essa prática é de um a quatro anos de reclusão e multa. Se a proposta virar lei, a punição será maior e, caso a coação ocorra em processo sobre crime contra a dignidade sexual, poderá ser aumentada de um terço até a metade.

O projeto também determina que nas audiências e no julgamento — em especial quando são apurados crimes contra a dignidade sexual — promotores, advogados, juízes e demais participantes deverão “zelar pela integridade física e psicológica da vítima”. Caso contrário, poderão responder civil, penal e administrativamente.

O texto diz que, nessas audiências e no julgamento, está proibida: a manifestação sobre fatos que não estejam no processo; a utilização de linguagem, informações ou material que ofendam a dignidade da vítima ou de testemunhas.

A relatora do projeto no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), lidera a bancada feminina do Senado. Segundo ela, a matéria “visa reprimir a chamada vitimização secundária” — dano psicológico causado à vítima por meio conduta de agentes do próprio Estado.

O projeto foi apresentado em novembro de 2020 após a repercussão nacional do caso da blogueira Mariana Ferrer, de Santa Catarina. A jovem acusa o empresário André de Camargo Aranha de tê-la estuprado em dezembro de 2018. Ele foi absolvido.

Durante uma audiência no processo, o advogado de defesa, Cláudio Gastão da Rosa Filho, exibiu fotos de Mariana Ferrer dizendo que eram imagens “ginecológicas” e afirmou que “jamais teria uma filha” do “nível” da blogueira.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Trabalhadores nascidos em agosto recebem a sétima parcela do auxílio emergencial
Governo federal sanciona lei que prorroga isenções do ICMS por 15 anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar