Terça-feira, 22 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Mostly Cloudy

Porto Alegre Com falta de vacinas, Porto Alegre e outras cinco capitais interrompem aplicação da segunda dose de Coronavac

Compartilhe esta notícia:

Problemas acontecem após Ministério da Saúde recomentar uso de vacinas destinadas à segunda dose para a primeira aplicação.

Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini
Problemas acontecem após Ministério da Saúde recomendar uso de imunizantes destinados à segunda dose para a primeira aplicação (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

Devido a déficit nos estoques de imunizantes contra o coronavírus, nesta segunda-feira (3) Porto Alegre e outras cinco capitais brasileiras estavam com a aplicação da segunda dose da Coronavac-Butantan paralisada. A lista inclui Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Recife (PE) e Aracaju (SE), de um total de 27 cidades.

No domingo (2) eram oito as capitais com interrupção no serviço. Rio de Janeiro e Fortaleza (CE) haviam superado o problema pela manhã. Já em Belém (PA), a segunda dose voltou a ser aplicada na tarde desta segunda-feira.

O prefeito do Rio de Janeiro suspendeu no último sábado, por dez dias, a vacinação da segunda dose do Coronavac, mas no dia seguinte decidiu retomar a partir desta segunda-feira, começando pelos maiores de 70 anos. No Estado fluminense, os menores de 60 anos que já receberam a primeira dose entre 10 e 17 de abril terão que esperar até 17 de maio para completar o ciclo, ou seja, entre 30 e 40 dias depois, embora o intervalo recomendado seja de 28 dias.

Logística confusa

Quando assumiu o Ministério da Saúde, no fim de março, o médico Marcelo Queiroga colocou como meta a vacinação diária de 1 milhão de pessoas “a curto prazo”. Contudo, esta meta foi atingida apenas uma vez na média de imunizados ao longo de sete dias: em 29 de abril, quando foram imunizadas 1.008.110 pessoas.

Os números caíram nos três dias seguintes, com o registro no domingo (2) de 876.385 doses aplicadas na média de sete dias.

Os problemas nos estoques acontecem após o Ministério da Saúde recomendar que as vacinas guardadas para a segunda dose fossem usadas na primeira aplicação.

Atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga responsabilizou seu antecessor, o general Eduardo Pazuello, pelas interrupções. “[O atraso] decorre da aplicação da segunda dose como primeira dose”, afirmou. “Logo que houver entrega da Coronavac, [o problema] será solucionado”, declarou Queiroga.

A liberação feita por Pazuello ocorreu em duas oportunidades, em fevereiro e março. O Ministério da Saúde já voltou atrás na recomendação e determina que as cidades guardem os imunizantes para a segunda dose.

Segundo a CPI da Covid investigará o motivo da falta de doses nas capitais. O ex-ministro Pazuello será questionado porque não houve uma previsão confiável para a distribuição dessas doses.

O governo orienta que se aplique a dose complementar mesmo após o prazo. Em nota técnica, afirma ser “improvável que intervalos aumentados entre as doses das vacinas ocasionem a redução na eficácia do esquema vacinal”.

Na semana passada, municípios de pelo menos 18 estados apresentaram problemas com estoque da Coronavac e paralisaram a vacinação.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Lewandowski diz que gestor pode responder por improbidade se atrasar segunda dose de vacina
Vacinação reduz pela metade morte entre idosos com mais de 80 anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar