Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Light Drizzle

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Supremo rejeita ação movida pelo empresário Luciano Hang contra deputado do PT

Compartilhe esta notícia:

Luciano Hang apresentou queixa-crime por suposto cometimento do crime de injúria. (Foto: Agência Senado)

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), rejeitou uma queixa-crime apresentada pelo empresário Luciano Hang contra o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), pelo suposto cometimento do crime de injúria. Seguindo manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) na Petição (PET) 9558, o ministro verificou que não há justa causa para a propositura de ação penal, pois a conduta apontada é abrangida pela imunidade parlamentar.

As ofensas alegadas na queixa-crime foram feitas por Pimenta em junho de 2019, num vídeo no Twitter em que critica o empresário por apoiar o presidente da República Jair Bolsonaro e o acusa de estar envolvido em crimes fiscais e outras irregularidades. Hang afirma que as afirmações são ofensivas, e, segundo seus advogados, apesar da referência à prática de crime, elas têm conteúdo vago e indeterminado, caracterizando o crime de injúria.

Imunidade parlamentar

O ministro verificou que, como consta da manifestação da PGR propondo a rejeição da queixa-crime, o perfil do parlamentar deixa claro que se trata de uma “plataforma voltada para a comunicação com eleitores e para a veiculação de ideias e convicções de natureza política”. Está claro, assim, que o Twitter é utilizado por Pimenta para divulgar suas convicções políticas e ações parlamentares, ou seja, relacionadas com o exercício do mandato de deputado federal.

Segundo Lewandowski, embora as declarações sejam “contundentes e até mesmo com acidez acentuada”, o deputado federal atuou dentro da imunidade material (artigo 53 da Constituição Federal), e não se justifica que ele responda a uma ação penal “justamente pelo exercício de sua liberdade de manifestação”.

O ministro salientou, ainda, que a liberdade de opiniões e palavras no exercício de atividade parlamentar não é absoluta e que, sempre que houver abuso, o Poder Judiciário deverá atuar. Contudo, ele considera que o parlamentar apenas externou seu descontentamento com vídeo em que Hang anunciava a compra de uma aeronave e contextualizou a notícia com o cenário econômico do país.

Para o relator, embora não se possa admitir que a grosseria, o uso de impropérios e as palavras mal utilizadas sejam normais na comunicação em sociedade, essas condutas são questões internas do parlamento. Assim, eventual excesso, que possa ferir o decoro parlamentar, deve ser apreciado pela Câmara dos Deputados.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Procurador-geral da República diz que “tem tido conversas” sobre a possibilidade de ser indicado ao Supremo
Bolsonaro recebe o presidente da Colômbia no Palácio do Planalto
Deixe seu comentário
Pode te interessar