Sexta-feira, 03 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Colunistas Vamos vencer a doença

Compartilhe esta notícia:

O coronavírus vai se tornando mais conhecido a cada dia que passa. Não é otimismo: nós vamos vencer a doença. Basta ver o quanto temos avançado em pouquíssimo tempo no conhecimento de uma doença devastadora, mas completamente nova.

No começo o uso de máscaras era considerado como pouco eficiente para evitar o contágio. Isso sempre foi um contrassenso, uma agressão à lógica simples. Talvez porque não existiam máscaras suficientes nem para as equipes médicas. Mas teria sido honesto e muito produtivo falar a verdade: não há máscaras suficientes, façam suas máscaras em casa. De uma hora para outra as máscaras faciais passaram a ser uma poderosa barreira de propagação.

No Brasil, o Hospital das Clínicas de São Paulo está dando total prioridade a um projeto de Inteligência Artificial, para criar um algoritmo que terá importância estratégica na detecção breve da doença. A partir do resultado de um conjunto amplo de tomografias, ressonâncias e exames de raio-x, calcula-se o algoritmo que, em minutos, dará um diagnóstico com 90% de confiabilidade (a partir dos primeiros sintomas), de que o paciente está acometido do vírus e em que percentagem o pulmão está comprometido.

No começo deste mês o algoritmo já estará à disposição do próprio HC e de outros hospitais que participam do projeto. Imediatamente, o algoritmo está disponível para hospitais de todo o país.

Na mesma linha do diagnóstico precoce, o médico intensivista americano Richard Levitan, com 30 anos de experiência, chamou a atenção para uma intercorrência frequente no doente da epidemia: a hipóxia silenciosa, isto é, uma diminuição não notada (por isso, silenciosa) de oxigênio no sangue causada pelo vírus. E ele sugere o uso de um oxímetro, um aparelhinho simples que mede, através de um feixe de luz, a percentagem de oxigênio no sangue. Se ela estiver abaixo dos 90%, e se o paciente estiver com outros sintomas, como tosse e falta de ar, o diagnóstico é praticamente certo: pode começar o tratamento que, como em toda a doença, quanto antes melhor.

Há novidades também nas questões dos cuidados com a doença. Um estudo do setor de ciência e tecnologia do Departamento de Segurança Interna dos EUA, demonstrou que o coronavírus é vulnerável ao calor do sol e à umidade. A luz solar parece ser um impacto potente sobre a “vida” do vírus. Quanto mais elevada for a temperatura da luz solar e da percentagem de umidade do ar, menor é a sobrevida do vírus: menor o estrago de que ele é capaz. A luz solar sempre foi o maior desinfetante, desde tempos imemoriais.

E há em curso, hoje, pelo menos duas centenas de pesquisas e estudos, nos laboratórios mais avançados do mundo, que buscam freneticamente descobrir efeitos positivos de remédios existentes sobre o covid-19, novos medicamentos para a doença e a vacina redentora.

Na medida em que vai se travando o combate contra a doença, mais se saberá sobre ela e mais próximos estaremos de derrotá-la. Mas atenção: por ora, nada substitui o isolamento social, a distância das aglomerações, o uso de máscaras, a higiene das mãos com álcool gel e água e sabão.

titoguarniere@hotmail.com

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Fatos históricos do dia 9 de maio
A mãe das mães
Deixe seu comentário
Pode te interessar