Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
18°
Thunderstorm

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Mundo Vizinhos da Rússia temem os tanques de Putin e usam minas terrestres para se proteger

Compartilhe esta notícia:

Países bálticos e a Finlândia considerem novas alternativas para reforçar defesa. (Foto: Reprodução)

Dois anos após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os países bálticos e a Finlândia alertam que uma ameaça ao seu próprio território pode estar no horizonte, com algumas agências de inteligência afirmando que o Kremlin poderá fazer atacar dentro de uma década.

Os estados europeus ainda clamam por caças F-35, mas o renovado interesse e investimento em táticas centenárias é o exemplo mais recente de como a guerra da Rússia na Ucrânia está abrindo questionamentos sobre como defender o território da Otan.

Em nenhum momento as escolhas foram mais duras do que na discussão sobre as minas terrestres, à medida que os militares avaliam a sua capacidade de baixo custo para abrandar os tanques. As minas terrestres existem de muitas formas, mas a variante antipessoal mais barata e mais simples, uma vez instalada, pode representar um perigo décadas após o fim do conflito.

Os governos dos três países bálticos – Lituânia, Letônia e Estônia – têm conversado nas últimas semanas sobre a possibilidade de se retirarem da convenção internacional que proíbe as minas antipessoal. Por enquanto, cada um optou por não fazê-lo, mas todos estão investindo em minas antitanque e outras munições que são menos perigosas para os civis.

“O objetivo é que todos nós fortaleçamos as nossas capacidades de defesa, façamos tudo para que a nossa fronteira proteja as nossas sociedades”, disse o ministro da Defesa da Letônia, Andris Spruds, que encarregou os militares do seu país de examinarem se faria sentido retirar-se do tratado sobre minas terrestres, conhecido como Convenção de Ottawa.

Spruds e os seus homólogos bálticos concordaram recentemente em construir o que chamam de Linha de Defesa do Báltico, um sistema coordenado de bunkers e fortificações. Até recentemente, grande parte da fronteira entre a Rússia e esses países era composta por campos ondulados e florestas de pinheiros abertos, com pouco impedimento para a travessia.

Os países começaram a construir cercas em 2020 para dissuadir os imigrantes que as autoridades russas enviavam numa tentativa de desestabilizar os vizinhos europeus. Agora, a fronteira deverá tornar-se muito mais militarizada, com planos para instalar sensores e obstáculos físicos para bloquear tanques e outros veículos – bem como um investimento em um arsenal de minas antitanque e minas detonadas remotamente que podem ser mobilizadas se as tropas russas começarem a se reunir na fronteira.

Os planos de fortificação estão analisando as linhas defensivas da Rússia no leste ocupado da Ucrânia, onde os militares cavaram centenas de quilómetros de trincheiras, espalharam arame farpado e barreiras antitanque e colocaram campos minados extensos. Quando as forças ucranianas tentaram remover as minas, os drones russos conseguiram dirigir o fogo de artilharia contra elas, levando a um ganho territorial mínimo para os ucranianos, apesar das grandes ambições.

“A Rússia, em vez de utilizar mão de obra, utilizou minas”, disse James Cowan, um antigo general do exército britânico que é o principal executivo da HALO Trust, uma organização de remoção de minas.

A Lituânia e a Letônia têm aproximadamente o tamanho do Estado americano da Virgínia Ocidental, e a Estónia é menor do que isso, o que significa que, ao contrário da Ucrânia, que é muito maior, haveria pouco território para recuar se os tanques russos atravessassem a fronteira.

Mas nenhum país planeja retirar-se do tratado sobre minas terrestres antipessoal por enquanto.

A Finlândia, que teve uma analise interna separada sobre minas terrestres, alargou significativamente a fronteira da Otan com a Rússia quando aderiu à aliança no ano passado. Impulsionada por preocupações de segurança ao longo da sua fronteira russa de 1.332 quilómetros, a Finlândia assinou o tratado sobre minas terrestres antipessoal mais de uma década depois da maioria dos países, e só terminou de destruir os seus arsenais em 2015. Muitos políticos do país questionaram a decisão no passado, incluindo o presidente eleito Alexander Stubb, embora o país não tenha planos atuais de sair da convenção.

Alguns políticos dos países bálticos afirmam que, apesar das garantias de defesa da Otan, a experiência recente da Ucrânia aumenta o imperativo de travar uma invasão russa. Em 2022, os líderes mundiais presumiram inicialmente que Kiev estava perdida e foram necessários cerca de 10 dias para que as atitudes – e a assistência – mudassem para um modo que ajudaria os ucranianos a recuperar território em vez de escapar.

“Há um espectro de minas terrestres que podemos usar. E a Letônia está absolutamente disposta a desenvolver esta capacidade”, afirmou Spruds. “Temos minas terrestres em nosso arsenal e desenvolveremos capacidade sem obter as minas terrestres que são proibidas pela convenção.”

O tratado permite que os países utilizem minas antitanque, que são consideradas mais seguras para os civis porque exigem muito mais pressão descendente para serem detonadas do que a causada por um ser humano a passar sobre elas. Também permite a utilização de minas mais pequenas, controladas remotamente, que podem matar soldados individuais, desde que possam ser operadas por alguém que consiga distinguir entre alvos militares e civis.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Rússia alerta Otan para conflito “inevitável” caso tropas europeias sejam enviadas à Ucrânia
Donald Trump entra na Justiça para tentar impedir depoimento de atriz pornô e ex-advogado
https://www.osul.com.br/vizinhos-da-russia-temem-os-tanques-de-putin-e-usam-minas-terrestres-para-se-proteger/ Vizinhos da Rússia temem os tanques de Putin e usam minas terrestres para se proteger 2024-02-27
Deixe seu comentário
Pode te interessar