Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Preso homem suspeito de matar um taxista em Viamão

Após separação, gêmeas unidas pela cabeça recebem alta em São Paulo

As gêmeas Maria Ysabelle e Maria Ysadora, 2 anos, que receberam alta em Ribeirão Preto. (Foto: Divulgação)

As gêmeas Maria Ysabelle e Maria Ysadora, de 2 anos e 4 meses, receberam alta no HC (Hospital das Clínicas) de Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) nesta sexta-feira (7). Nascidas unidas pelas cabeças, as meninas passaram por uma histórica cirurgia de separação, concluída com sucesso no último dia 28 de outubro. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Caso único na história da medicina brasileira, a separação das gêmeas foi possível após cinco procedimentos cirúrgicos, iniciados em fevereiro.

As meninas deixaram o HC, vinculado à FMRP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto), da USP (Universidade de São Paulo), às 11h30, mas não retornarão de imediato ao Ceará, estado natal delas.

A família ficará em Ribeirão até o próximo dia 26. Passará o Natal com amigos que fez na cidade e utilizará o tempo para a reabilitação das meninas, que já foi iniciada.

Elas estão fazendo fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional no centro de reabilitação do HC. Segundo o hospital, estão respondendo bem aos procedimentos.

Ambas deixaram o hospital com curativos na cabeça, que devem ser retirados na próxima semana, de acordo com a equipe de cirurgia plástica do HC.

Mesmo após retornar a Patacas, distrito de Aquiraz (CE), a família decidiu que se deslocará a Ribeirão para atividades ligadas à reabilitação das gêmeas.

Após a cirurgia, o desafio é conhecer o resultado final do ponto de vista neurológico das crianças e como será o desenvolvimento delas nos próximos anos.

A separação ocorreu às 21h09 do dia 27 de outubro, quando os neurocirurgiões pediátricos Marcelo Volpon e Ricardo Santos Oliveira fizeram a “soltura” das crianças.

A equipe médica, que envolveu cerca de 40 profissionais, comemorou quando ocorreu a separação. Mas por poucos segundos.

Em seguida, as crianças foram colocadas em mesas cirúrgicas diferentes para que fosse feita a reconstrução dos crânios.

A ida para o Ceará já estava prevista pela equipe médica após o período inicial da reabilitação. Uma das gêmeas, Maria Ysabelle, passou por novo procedimento em 22 de novembro, para revestir uma parte da cabeça com enxerto de pele.

As gêmeas, e seus pais, estão em Ribeirão Preto desde fevereiro, quando foi feito o primeiro dos cinco procedimentos cirúrgicos a que foram submetidas.

O processo foi tão complexo que envolveu o neurocirurgião americano James Goodrich, do Montefiore Medical Center, de Nova York, considerado um dos maiores especialistas do mundo no assunto.

A primeira cirurgia foi realizada em 17 de fevereiro e, assim como a segunda, feita três meses depois, foi bem-sucedida.

Em agosto, foi a vez do terceiro procedimento, um dos mais complexos da série, que deixou os cérebros praticamente separados. Só na parte neurológica, a operação durou cerca de sete horas e mobilizou 25 pessoas.

No mesmo mês, passaram por um novo procedimento preparatório, com a implantação de expansores subcutâneos para dar elasticidade à pele.

O valor de uma cirurgia como essa é calculado em US$ 2,5 milhões (R$ 9,1 milhões) na rede privada dos EUA. Na rede pública, como é o caso das meninas, o custo é menor.

Deixe seu comentário: