Últimas Notícias > Atividades Empresariais > GM Mercosul abre terceiro turno em Gravataí

Descoberta uma proteína que engana o coração e o faz pensar que a pessoa fez exercícios físicos

Coração responde de forma similar à prática de exercício. (Foto: Reprodução)

Uma proteína se mostrou capaz de “enganar” o coração para fazê-lo crescer de maneira saudável, aumentando o bombeamento de sangue, de maneira similar à resposta do órgão ao exercício físico e à gravidez, revela estudo publicado nesta terça-feira no periódico “Cell Research”. Além disso, a cardiotrofina-1 (CT1) se mostrou capaz de reparar danos e melhorar o fluxo sanguíneo em modelos animais com insuficiência cardíaca.

“Quando partes do coração morrem, os músculos restantes tentam se adaptar se tornando maiores, mas isso acontece de forma disfuncional que na verdade não ajuda o coração a bombear mais sangue”, explica Lynn Megeney, pesquisador do Hospital Ottawa e professor da Universidade de Ottawa, no Canadá, e autor principal do estudo. “Nós descobrimos que a CT1 provoca o crescimento dos músculos do coração de maneira mais saudável e também estimula o crescimento de vasos sanguíneos no coração. Isso realmente aumenta a habilidade do coração de bombear sangue, da mesma forma que acontece com os exercícios e a gravidez.”

A insuficiência cardíaca é a principal causa de morte e incapacidade em países desenvolvidos, e um problema crescente em todo o mundo. Ela ocorre quando o coração se torna incapaz de bombear sangue suficiente para o corpo, normalmente por causa de um ataque cardíaco que danificou tecidos musculares no órgão.

Megeney e seus colegas conduziram uma série de estudos em camundongos, ratos e culturas celulares em laboratório, com a cardiotrofina-1 e com a droga fenilefrina, que é conhecida por promover o crescimento disfuncional do coração. Os resultados mostraram que as células musculares tratadas com a proteína se tornaram fibras longas e saudáveis, enquanto as tratadas com a fenilefrina apenas se tornaram mais largas. Além disso, a CT-1 promoveu o crescimento de vasos sanguíneos ao longo do novo tecido muscular cardíaco, aumentando a habilidade do órgão em bombear sangue, o que não foi observado com a fenilefrina.

Opção ao transplante

Em dois modelos animais com insuficiência cardíaca, a cardiotrofina-1 melhorou “ dramaticamente” as funções cardíacas. Um dos modelos era provocado por um ataque cardíaco, que afeta o lado direito do órgão, e o outro era causado por pressão alta nos pulmões — hipertensão pulmonar —, afetando o lado direito do coração. E quando o tratamento com CT11 cessa, o coração volta para sua condição original, da mesma forma que acontece quando os exercícios físicos ou a gravidez terminam.

“Esta terapia experimental é muito excitante, particularmente porque demonstra potencial em tratar a insuficiência cardíaca tanto do lado esquerdo como no direito”, avaliou Duncan Stewart, vice-presidente de pesquisas no Hospital Ottawa. “Atualmente, o único tratamento para insuficiência cardíaca no lado direito é o transplante. E apesar de termos drogas que possam reduzir os sintomas da insuficiência cardíaca no lado esquerdo, não podemos corrigir o problema.”

Teoricamente, os exercícios físicos e a gravidez poderiam dar ao paciente os mesmos benefícios da cardiotrofina-1, mas pessoas que sofrem com insuficiência cardíaca normalmente têm a capacidade para se exercitar limitada. Os experimentos foram realizados em laboratório, e agora a equipe aguarda pela aprovação de patentes e financiamento para iniciar os testes clínicos.

“Um aspecto intrigante desta pesquisa foi como a cardiotrofina-1 humana foi capaz de promover uma resposta de crescimento saudável em vários modelos animais”, destacou Patrick Burgon, pesquisador da Universidade de Ottawa e coautor da pesquisa. “Isso sugere que a ação da CT1 é universal, o que nos coloca muito mais perto de uma terapia.”

Deixe seu comentário: