Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > O bloqueio de telemarketing começa nesta terça

“Ele não mostrou nenhum tipo de arrependimento”, expõe delegada que interrogou estuprador em Porto Alegre

Estuprador foi encaminhado no domingo (2) no sistema prisional. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A delegada Tatiana Bastos realizou uma coletiva de imprensa para esclarecer pontos do depoimento do responsável por filmar e estuprar uma mulher desacordada, dentro de um carro, na Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, em Porto Alegre. O homem se entregou à Polícia no domingo (2), e, segundo a delegada, “ele não mostrou nenhum tipo de arrependimento pelo estupro”. Tatiana afirmou que “para ele, aquilo nem era crime, era algo que, a mulher, por estar naquela condição, no juízo dele merecia. (…) Como se aquilo não fosse uma conduta atípica”.

Este caso se enquadra no tipo penal 217, qualificado como estupro de vulnerável. A delegada aponta que “a condição de vulnerabilidade dela se deu pela total incapacidade de oferecer resistência, e, olhando o vídeo, não há nenhuma dúvida de que ela está completamente desacordada”. Crimes deste patamar tem uma penalidade de até 15 anos, mas, neste caso, o estuprador será condenado por mais cinco anos por divulgar as cenas do ato. A delegada não descarta mais uma condenação por furto, já que foram roubados, de dentro do mesmo carro, bebidas alcoólicas e itens do casal.

Além disso, a Delegacia Especializada no Atendimento a Mulher (DEAM) de Porto Alegre, trata como crime hediondo atos que prejudicam a honra de outrem. “Ele fere a dignidade sexual dessa vítima, e também expõe a honra e a imagem dela de uma maneira muito baixa, com total ausência de um juízo valorativo de reprobabilidade da conduta dele”.

Outro suspeito

O segundo homem que aparece nas imagens foi ouvido pela polícia neste domingo (2). Ele nega ter participado do estupro ou ter responsabilidade pelas filmagens. Conforme o suspeito, seu único envolvimento nos fatos foi ter tomado uma cerveja que havia no carro. Por este motivo, o indivíduo deverá responder por furto qualificado.

Já uma acusação por crime sexual, só será realizada caso o exame do DNA encontrado no veículo comprove sua coautoria no estupro. Após ser interrogado, o suspeito foi liberado.

 

Deixe seu comentário: