Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Confronto entre coletes amarelos e polícia marca Páscoa em Paris

Está pedindo briga

O deputado estadual Issur Koch narrou na tribuna a reação de sua filha em relação à política. (Foto: Facebook/Reprodução)

O ministro Guedes, da Economia, pode trocar o nome Paulo por Pedro, porque dá a entender que assumiu a condição de Primeiro ou Segundo, os imperadores do Brasil. Ao negar a existência da dívida da União com os Estados, por conta da Lei Kandir, despreza o Supremo Tribunal Federal, que deu prazo para o repasse em parcelas de 600 bilhões de reais. A era do tudo posso e tudo faço, impondo a vontade pessoal, terminou a 15 de novembro de 1889.

Parado na estação

O Rio Grande do Sul anda na contramão de outros estados que batem à porta do governo federal para integrar o programa de ampliação das ferrovias, sob administração privada. Hoje, 80 por cento do transporte terrestre de cargas no Brasil se dão sobre rodas e apenas 20 por cento em trens. Nos países industrializados e outros em desenvolvimento é o contrário. Comparado ao transporte rodoviário, o ferroviário emite apenas um quarto de gases de efeito estufa e custa um sexto do valor do frente. Atualmente, estão disponíveis para operações no país 30 mil quilômetros de trilhos. O Rio Grande do Sul tem 3 mil e 400 quilômetros.

Difícil de entender

Há produtos, incluindo os da cesta básica, cujo preço dobra com o transporte rodoviário. Caso do açúcar, do arroz e do feijão, entre outros, que poderiam custar a metade se usassem as ferrovias.

Observação precisa

No pronunciamento que fez na sessão plenária de ontem, o deputado estadual Issur Koch, do PP, revelou: a filha de 12 anos, que o acompanha no dia a dia, já disse que não quer ser política quando crescer. Motivo: não há privacidade e vê o pai ser indagado sobre tudo a qualquer hora. Escolherá uma atividade mais tranquila. Em 2016, Koch se elegeu como o vereador mais votado da história de Novo Hamburgo. Para chegar à Assembleia, obteve no ano passado um quarto dos votos válidos em seu município.

Reconhecimento

A Câmara dos Deputados homenageou ontem a Polícia Federal. Criada em 1944, ganhou maior projeção nos últimos anos, ao comandar a Operação Lava Jato que desmantelou esquema de corrupção sem precedentes no país. Atualmente, faltam 4 mil servidores em seus quadros.

Redução do risco

O Brasil já teve 1 mil e 550 planos de saúde privados. Passando pelo filtro antivigarice, sobraram 745.

Perto do cofre

Governadores começaram a discutir ontem a criação de região metropolitana do Distrito Federal. A esperança é que, estando próximo ao Ministério da Fazenda, fica fácil pedir.

Ninguém sabe, ninguém viu

A cédula a mais na eleição de Davi Alcolumbre para presidência do Senado, na sessão de 2 de fevereiro, seria investigada com rigor. Passaram-se 55 dias e não há pista para desvendar o mistério. Deve ser por falta de assessores que assumiriam a tarefa…

De pires na mão

De 8 a 11 de abril, acontecerá a 22ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. As bandeiras não mudam: pacto federativo justo, maior participação no Fundo de Participação, que é de competência da União, e fim da guerra do ISSQN.

A revoada pela capital federal não toca nas questões de fundo nem acena para perspectivas de futuro. Muitos dos municípios são pura ficção jurídica. Desde a criação ficaram desprovidos de autonomia técnica, que se dá pela competência da máquina administrativa, e também financeira. Para a maioria dos moradores, a cobrança de impostos em municípios menores é uma heresia. Afinal, quase todos se conhecem… Com isso, a arrecadação é diminuta e os serviços públicos desaparecem.

O que mais dirá?

Na entrevista à Rádio Super Notícia, de Belo Horizonte, ontem pela manhã, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, ofendeu o seu chefe ao dizer que “Cesare Battisti enganou Lula”. O atestado de ingênuo cabe a muitos, não ao ex-presidente.

Deixe seu comentário: