Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Senadores propuseram 78 emendas para tentar mudar o texto da reforma da Previdência antes da votação em 1º turno

O recado das ruas: a velha política acabou

Manifestações mostraram força pelas as reformas. (Foto: Reprodução)

As manifestações ocorridas ontem em todo o Brasil surpreenderam aos grupos políticos que pretendiam esvaziá-la. E o recado dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro foi bastante claro: as urnas decidiram que o velho modo de fazer política, definitivamente, está fora de questão. Aí se inclui o Congresso Nacional, o Executivo, e o próprio STF. O recado em favor das reformas da Previdência e Tributária, e as manifestações em apoio ao ministro Sérgio Moro foram bastante claros.

STF ocupou espaço do legislativo

Na última semana por exemplo, o Supremo Tribunal Federal resolveu decidir sobre a criminalização da homofobia, julgando o Mandado de Injunção 4.733 e a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão 2, invadindo atribuição da Câmara dos Deputados. A justificativa do STF foi a demora do legislativo em decidir.

No inquérito das Fake News, STF ocupa espaço do MP

No inquérito que investiga supostas ameaças e injúrias a integrantes do STF, o caso das fake news, sem a participação do Ministério Público, mais uma vez a Corte inova ao não permitir, de forma surpreendente, a presença do Ministério Público. Pela Constituição, o Ministério Público é o titular da ação penal.

Governadores do Sul e Sudeste definem prioridades

Foram mais de oito horas de reuniões de trabalho em Gramado, na serra gaúcha, no sábado: governadores do Sul e Sudeste participaram do terceiro encontro do Cosud, o Consórcio de Integração Sul e Sudeste. A Carta de Gramado definiu consenso no apoio às reformas da Previdência, tributária,e na área do saneamento.

Privatizações podem render R$ 3 bi ao governo gaúcho

Ao assinar sábado com o BNDES o projeto de modelagem dos processos de estatização, o governador gaúcho Eduardo Leite deu um passo importante para a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal. Com esse movimento junto ao BNDES, assegurou que, ainda que não saia este ano o RRF, o Estado poderá buscar no mercado pelo menos R$ 3 bilhões em recebíveis que serão garantidos pela venda da CEEE-D, CEEE-G, Sulgás e CRM. Tudo vai depender da celeridade dos deputados na Assembleia gaúcha em aprovarem cada um dos projetos de privatização para que o BNDES possa tocar a modelagem dos leilões.

Deixe seu comentário: