Últimas Notícias > Notícias > Brasil > No Japão, Bolsonaro diz que o PSL teve “bate-boca exacerbado” e que o “bem vencerá o mal” na crise interna do partido

Só um terço das crianças brasileiras com até três anos estão em creches

Havia 3,5 milhões de crianças em creches brasileiras no ano passado, mas 6,7 milhões ainda estavam fora delas. (Foto: Reprodução)

Havia 3,5 milhões de crianças em creches brasileiras no ano passado, mas 6,7 milhões ainda estavam fora delas. As vagas nesta etapa, considerada um dos maiores gargalos da educação básica no país, continuam em falta e longe da meta estipulada para 2024 de atender metade dos pequenos de até 3 anos.

É o que mostram dados da Pnad Contínua da Educação 2018, pesquisa anual do IBGE em domicílios no País todo lançada nesta quarta-feira (19). Comparações só são possíveis a partir de 2016, quando o instituto ampliou a área de cobertura do estudo. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Veja abaixo os principais resultados do ensino infantil, fundamental, médio e superior.

1) Creche não deve atingir meta de alunos se continuar no ritmo atual: Só um terço das crianças de até 3 anos estuda e, se o país seguir na velocidade dos últimos dois anos, essa parcela chegará a 45,6% em 2024, ainda abaixo dos 50% almejados pelo Plano Nacional de Educação.

Também não foi cumprido até aqui o objetivo de universalizar a pré-escola em 2016 – ou seja, ter todas as crianças de 4 e 5 anos estudando –, apesar de o percentual ser bem elevado nessa etapa (92,4%). É nela que a educação passa a ser considerada obrigatória.

A frequência no ensino infantil é bastante desigual considerando idades e regiões. Só 3% dos bebês de até um ano estão em creches no Norte, percentual que salta para 31% entre os de 2 e 3 anos de idade. No Sudeste, as mesmas taxas são de 18% e 61%, respectivamente.

2) Na faixa de 6 a 14 anos, escolarização é universal, mas há atraso dos alunos: “Consideramos que a meta da universalização do ensino foi alcançada entre os jovens de 6 a 14 anos [99,3% estudam]”, diz a analista do IBGE Marina Águas, que participou da pesquisa. “Mas chama atenção o atraso dos alunos mais velhos”, pondera.

De maneira geral, as crianças se mantêm na etapa adequada entre os 6 e 10 anos, porém ao passar para a faixa dos 11 a 14 anos, o atraso escolar começa a se acentuar. Quase 13% dos jovens dessa idade estavam em séries abaixo do que deveriam.

Acaba-se culpando muito o ensino médio pela evasão de alunos, mas é importante ver que essa defasagem começa já no fim do ensino fundamental”, afirma Águas. “Depois pode virar uma bola de neve, com mais alunos atrasados ou evasões.”

3) Brasil não atingiu nenhuma meta para o ensino médio: Nessa etapa, a “bola de neve” citada pela analista cresce. Só 88,2% dos jovens de 15 a 17 anos estão na escola (a meta era de 100% até 2016), e uma proporção menor ainda cursa o ano adequado para sua idade: 69,3% (a meta é de 85% até 2024).

Como em vários outros indicadores, aqui também há diferenças marcantes entre regiões, gênero e cor. Vale ressaltar que o Sudeste vem mantendo, desde 2016, a maior proporção de adolescentes no ensino médio, com 76,4% em 2018.

Entre as mulheres, a taxa é 10 pontos percentuais maior que entre os homens. Entre brancos e negros, a diferença é de 11,9 pontos. O abismo, porém, diminuiu ligeiramente: enquanto índice dos brancos se manteve em 76,5% nos últimos dois anos, e o dos pretos e pardos melhorou de 63,5% para 64,9%.

4) Apesar de avanço, 3 em cada 4 jovens estão fora do ensino superior: Um terço dos brasileiros de 18 a 24 anos estavam estudando em 2018, mas só um quarto frequentava o ensino superior, que é a etapa adequada para a idade. Esses dois índices ainda estão longe das metas almejadas para daqui a cinco anos.

Mais uma vez, porém, vê-se desigualdade. Enquanto a meta de ter 33% dos jovens no ensino superior foi alcançada e superada (36%) pelos brancos, a parcela de negros nessa situação é de 18,3%, metade.

Para essa meta ser alcançada [por todos], são necessárias políticas que incentivem a educação, seja reduzindo o atraso e a evasão do ensino médio para que mais pessoas se tornem aptas a ingressar no ensino superior, seja melhorando o acesso e o número de vagas no ensino superior”, ressalta o estudo do IBGE.

5) “Nem-nem”: total de jovens que não estudam nem trabalham tem leve alta: O atraso que começa nos anos finais do ensino fundamental, se acumula no ensino médio e esvazia o ensino superior contribui também para um outro índice, o de “nem-nem” – jovens de 15 a 29 anos que não estudam nem trabalham. O indicador passou de 21,8% para 23% em dois anos.

A pesquisa conclui que “elevar a instrução e a qualificação dos jovens é uma forma de combater a expressiva desigualdade educacional do país”.

Além disso, especialmente em contexto econômico desfavorável, pode facilitar a inserção no mercado de trabalho, reduzir empregos de baixa qualidade e a alta rotatividade”, diz o texto.