Terça-feira, 20 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Geral A Defensoria Pública do Distrito Federal quer que o governo mude o tamanho das cédulas de 200 reais

Compartilhe esta notícia:

A cédula foi fabricada com a mesma dimensão da nota de 20 reais. (Foto: Divulgação/Banco Central)

A DP-DF (Defensoria Pública do Distrito Federal) enviou uma recomendação ao BC (Banco Central) e à Casa da Moeda para que façam modificações na nota de 200 reais, lançada no último dia 2. Segundo o órgão, a cédula “não atende ao critério de diferenciação de tamanhos”, por ter sido fabricada com a mesma dimensão da nota de 20 reais.

Por meio do Núcleo de Assistência Jurídica de Defesa dos Direitos Humanos, a Defensoria Pública pediu a adoção de providências necessárias para que seja conferida acessibilidade às pessoas com deficiência visual na nova cédula de 200 reais, inclusive com a adequação do parque fabril para a confecção de notas em tamanho diferenciado, em atenção à legislação referente à pessoa com deficiência, especialmente o contido na Lei 10.098/00, no Decreto 5296/04, e no Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/15).

Na recomendação, foi ressaltado que a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência prevê, no artigo 3º, inciso IV, as barreiras nas comunicações e na informação como qualquer entrave, obstáculo, atitude ou comportamento que dificulte ou impossibilite a expressão e o recebimento de mensagens e informações. Segundo a Lei, as barreiras tecnológicas são aquelas que dificultam ou impedem o acesso da pessoa com deficiência às tecnologias.

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência também prevê, em seus artigos 4º e 53º, respectivamente, que toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as demais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação, e que a acessibilidade é direito que garante à pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida viver de forma independente e exercer seus direitos de cidadania e de participação social. A Lei estabelece, ainda, que é competência do Poder Público garantir a dignidade da pessoa com deficiência ao longo de toda a vida.

Os defensores públicos responsáveis pela recomendação – Bianca Cobucci, Clélia Brito e Ronan Ferreira – enfatizam que a decisão do Banco Central do Brasil obstaculiza a identificação da cédula pelas pessoas com deficiência visual no país, que somam aproximadamente sete milhões, e viola norma constitucional referente à acessibilidade.

A Casa da Moeda Brasileira e o Banco Central têm o prazo de 10 dias para realizar o encaminhamento de ofício ao Núcleo de Direitos Humanos da DP-DF informando os motivos pelos quais a nova cédula de R$ 200 foi lançada com a mesma dimensão da cédula de R$ 20, e informando sobre as providências que serão adotadas.

A cédula foi lançada em cerimônia transmitida de forma virtual no último dia 2. Segundo o BC, serão produzidas 450 milhões de unidades em 2020.

Com os efeitos econômicos trazidos pela Covid-19, o Banco Central entendeu que o momento era oportuno para o lançamento de uma nova denominação. Com a pandemia, a procura da população pelo dinheiro em espécie aumentou e essa ocorrência se repetiu em vários países. A quantidade de dinheiro em circulação subiu de cerca de R$ 260 bilhões para R$ 351 bilhões entre março e 31 de agosto.

Vivemos um momento singular, que trouxe um aumento expressivo da demanda da sociedade por dinheiro em espécie. Não é exclusividade do nosso país. Em momentos de incerteza, é natural que as pessoas busquem reservas em dinheiro como garantia”, explicou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. As informações são da DP-DF e do Banco Central.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

O Ministério da Economia prevê um rombo de 861 bilhões de reais nas contas do governo neste ano
Juiz arquiva processo contra uma mãe por injúria no Facebook
Deixe seu comentário
Pode te interessar