Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Afeganistão acaba com o Ministério das Mulheres

Compartilhe esta notícia:

Edifício do antigo Ministério dos Assuntos da Mulher, em Cabul. (Foto: Reprodução)

O novo governo afegão, dominado pelo Taleban, criou um ministério para a “propagação da virtude e a prevenção do vício” que vai funcionar no mesmo prédio que antes abrigava o Ministério de Assuntos da Mulher.

Esse é o mais recente sinal de que os radicais estão cada vez mais restringindo os direitos das mulheres, apenas um mês depois de invadirem a capital Cabul. Durante seu governo anterior no Afeganistão, na década de 1990, o Taleban negou a meninas e mulheres o direito à educação e as excluiu da vida pública.

Na frente do prédio do ministério, uma placa identifica o local como Ministério de Pregação e Orientação e Propagação da Virtude e Prevenção do Vício. No local, funcionava o Programa de Empoderamento Econômico e Desenvolvimento Rural das Mulheres, mantido pelo Banco Mundial e administrado pelo Ministério de Assuntos da Mulher. O projeto, que tinha disponível para empréstimo pelo menos US$ 100 milhões, foi extinto.

Funcionários da instituição financeira foram retirados à força do local, disse o membro do programa Sharif Akhtar. Mabouba Suraj, que dirige a Rede de Mulheres Afegãs, disse que está surpresa com a avalanche de medidas restritivas imposta pelo governo contra pessoas do sexo feminino.

Na sexta-feira (17), o Ministério da Educação convocou meninos da 6.ª série em diante para o retorno às aulas, que começariam no sábado (18). Não houve menção da volta das meninas. Antes, o ministro do Ensino Superior do Taleban tinha dito que as meninas teriam igual acesso à educação, embora em ambientes segregados por gênero.

“Está se tornando muito problemático. As meninas vão ser esquecidas?”, disse Suraj. “Sei que eles não aceitam dar explicações, mas esses esclarecimentos são muito importantes.” Suraj especulou que as declarações contraditórias talvez reflitam divisões dentro do Taleban ao mesmo tempo em que o grupo busca consolidar seu poder, com os mais pragmáticos dentro do movimento perdendo espaço para os membros da linha-dura.

A diretora-geral da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Audrey Azoulay, afirmou ontem que há uma crescente preocupação com as limitações que o Taleban está impondo às meninas, depois que apenas os meninos foram orientados a voltar à escola.

“Se essa proibição for mantida, isso constituirá uma violação importante do direito fundamental à educação para meninas e mulheres”, disse Azoulay, em um comunicado, ao chegar a Nova York para a abertura da Assembleia-Geral da ONU.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Vulcão Cumbre Vieja entra em erupção nas Ilhas Canárias
“Ela morreu rastejando”, diz irmão que esperava nos Estados Unidos por brasileira que não aguentou cruzar a fronteira com o México
Deixe seu comentário
Pode te interessar