Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Colunistas Afinidades

Compartilhe esta notícia:

Remuneração é complemento de renda para o petista, que teve bens bloqueados pela Lava-Jato. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro – segundo o jornal O Estado de São Paulo – vai expandir e aumentar o valor do Bolsa-Família (BF). Já começou este ano, concedendo o 13°. mês do benefício. Para o ano que vem, além de um reajuste ainda não calculado do valor mensal de R$ 190,00, o programa será ampliado para jovens até 21 anos (hoje vai até 17).

Na oposição, Bolsonaro tripudiava: “Bolsa-Família nada mais é do que tirar dinheiro de quem produz e dá-lo a quem se acomoda, para que use o seu título de eleitor e mantenha quem está no poder”. Era para gente que “pensa com o estômago”.

O Lula da oposição não era diferente de Bolsonaro. Diante dos programas sociais de Sarney e depois de FHC, desafiava: “Temos de acabar com o vale-isso, o vale-aquilo, as coisas que o governo criou para dar às pessoas”. Os benefícios acomodavam as pessoas, e eram apenas “moeda de troca em época de eleição”. Em mais de uma vez chamou os programas sociais de “esmolas”.

No governo, descobriu rapidamente que a moeda de troca tinha um valor inestimável: agrupou todos os programas sociais em um só, ajuntou uns penduricalhos e criou, com enorme sucesso, inclusive eleitoral, o Bolsa-Família.

Era para ser um programa transitório. Mas desse tipo de coisa – só não sabe quem é muito distraído e propenso a ser enganado – uma vez estabelecido, ninguém consegue voltar atrás. Em cada eleição, desde a sua implantação, os emissários petistas percorriam as regiões onde se concentrava o programa, para atemorizar os beneficiários: se o PT perder a eleição acaba o Bolsa-Família. Os candidatos adversários do PT eram obrigados a se desdobrar em negativas, prometendo não apenas a manutenção da benesse, mas a sua ampliação.

O fato é que o Bolsa-Família fideliza os seus destinatários, primeiro para recebê-lo e depois para votar (principalmente) no PT, que o instituiu. O Nordeste, onde se acumula o maior número de famílias beneficiárias, é o mais importante reduto eleitoral do partido.

Mesmo Michel Temer, que não chegou nem perto de ser um governo popular, com o afastamento de Dilma Rousseff através do impeachment, concedeu logo de cara um aumento do BF acima da inflação.

E da mesma maneira que Lula mudou de ideia – os programas sociais se tornaram o carro-chefe de suas realizações (são até hoje) –, Bolsonaro, que é rápido no gatilho para espertezas eleitorais, logo viu que ali, naquele terreno próprio da esquerda que tanto abomina, do PT que tanto ataca, ele poderia intervir e criar sua própria clientela.

Não há nada mais charmoso do que oferecer mimos ao povo com o dinheiro público, fazer bondade com o chapéu alheio. “O mais delicioso dos privilégios é gastar o dinheiro dos outros” (John Randolph, constituinte da Convenção de Philadelphia). Bolsonaro embarcou pressuroso na onda. Como é comum, os governantes do dia fazem igual ao que criticavam nos governos anteriores. O que há de mais parecido com o governo é a oposição quando chega ao governo.

Assim, temos que nada é mais semelhante na “nova política” em curso do que a velha. E que, olhando de perto, Bolsonaro e Lula têm lá suas afinidades e pontos comuns.

titoguarniere@hotmail.com

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Fatos históricos do dia 20 de dezembro
Férias, sombra e água fresca
Deixe seu comentário
Pode te interessar