Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Leandro Mazzini Agenda positiva

Bolsonaro e Maia protagonizaram embates recentemente. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Desgastado após embates com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e polêmicas relacionadas à tramitação da reforma da Previdência, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) vai tentar criar uma agenda positiva nas próximas semanas. Ministros foram cobrados pelo “núcleo duro” do Planalto sobre o andamento das 35 medidas prioritárias para os 100 primeiros dias de governo. Algumas já foram implementadas, como a flexibilização da posse de armas, combate a fraudes no INSS e a própria reforma da Previdência – enviada ao Congresso em fevereiro. Desgastado após embates com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e polêmicas relacionadas à tramitação da reforma da Previdência, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) vai tentar criar uma agenda positiva nas próximas semanas. Ministros foram cobrados pelo “núcleo duro” do Planalto sobre o andamento das 35 medidas prioritárias para os 100 primeiros dias de governo. Algumas já foram implementadas, como a flexibilização da posse de armas, combate a fraudes no INSS e a própria reforma da Previdência – enviada ao Congresso em fevereiro.

Trava oficial

Outras ações estão emperradas, como o programa “Alfabetização Acima de Tudo”, do MEC. Bolsonaro também quer confirmar o pagamento do 13º do Bolsa Família.

Villa Kodama

A Justiça vai leiloar 37 apartamentos da doleira Nelma Kodama em São Paulo, que foi presa na Lava-Jato. Há deságio de 40% para os apartamentos do Ed Hotel Villa Lobos.

Torneira fechada 

O governo fechou a torneira de recursos para os Estados até que a Reforma da Previdência seja aprovada no Congresso. Governadores e prefeitos vieram a Brasília nos últimos dias e voltaram para casa sem saber quando terão dinheiro para obras.

Porta voz

Após reunião com a bancada do Mato Grosso do Sul no Congresso, o prefeito Marquinhos Trad (Campo Grande) afirmou que “enquanto não votar a reforma da Previdência não vai haver qualquer tipo de liberação”.

Grita no canteiro

Trad afirmou ainda que a Caixa, segundo os empresários, não está repassando o pagamento deles porque o governo proibiu o pagamento do ‘Minha Casa, Minha Vida’: “Além de ficar parado, vai haver demissão coletiva. Isso não só em Mato Grosso do Sul, é em nível nacional”.

Satélite$ 

O ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, projeta que o Brasil poderá faturar US$ 10 bilhões por ano em 2040 se conseguir abocanhar ao menos 1% do mercado de lançamento de satélites. Pontes tem falado com parlamentares para acelerar a aprovação do acordo com os Estados Unidos relativo ao uso da Base de Alcântara (MA).

Olho neles

O ministro tem reafirmado que o acordo não tem viés militar, não vai interferir na soberania nacional e o foco está no compromisso do Brasil de “salvaguardar a tecnologia norte-americana utilizada no lançamento de satélites”.

Antifake

O Partido dos Trabalhadores criou uma Central Antifake; um espaço, segundo a partido, para combater os escândalos e mentiras que são espalhadas pelas redes sociais e grupos de WhatsApp. Será?
No comunicado enviado aos filiados, afirma: “Sabemos que as mentiras foram decisivas para a eleição de Jair Bolsonaro e o combate às fakenews é urgente. O povo brasileiro não pode continuar sendo enganado”.

Vai-não-vai

Após a série de tropeços, desencontros e bate-cabeça da base na Câmara Federal, o Planalto vê como improvável a aprovação da reforma da Previdência no 1º semestre. Pelo calendário traçado por Bolsonaro, a essa altura a constitucionalidade do texto já deveria ter sido aprovada na Comissão de Constituição e Justiça.

Cronograma 2.0

Para a frustração do governo e do mercado financeiro, o calendário não saiu do papel. Os bolsonaristas mais otimistas dizem que o texto será votado na CCJ até o dia 17 de abril, quase um mês depois da previsão.No cenário incerto, ministros e líderes agora têm evitado cravar prazos para aprovação da reforma na Câmara e no Senado.

PT no poder 

O presidente do Serpro, Caio Paes de Andrade, está com dificuldade de trocar postos chaves na estatal. Por falta de quadro, alguns funcionários com estreita ligação petista continuam apitando na empresa. É o caso de André de Cesaro e Iran Martins Porto Jr, ambos da época da Dilma que continuam a ocupar cargos importantes na estatal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Leandro Mazzini

Pretensões antecipadas
Camburão para turma do Maduro
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Leandro Mazzini Bloco da PM

Colunistas Alertas online

Leandro Mazzini Abin sem grampo

Colunistas Anistia