Sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Fair

Mundo Brasileiro morre em Londres vítima de coronavírus após preparar almoço para 50 pessoas

Compartilhe esta notícia:

Gessui Tavares de Araújo era diabético e tinha 69 anos

Gessui Tavares de Araújo era diabético e tinha 69 anos. (Foto: Facebook/Reprodução)

O brasileiro Gessui Tavares de Araújo, 69, morreu em Londres (Reino Unido) na noite de terça (31), vítima do novo coronavírus. Tavares vivia na cidade desde 2003. Trabalhava atualmente com carpintaria, mas sua paixão, segundo amigos, era cozinhar.

Ele era um grande cozinheiro e sempre chamava todo mundo para dividir a comida”, conta Hélio Cruz, que morou com Tavares em uma república.

Nas horas vagas, também atuava como chefe da cozinha de uma igreja evangélica em Londres, na qual preparou uma refeição para cerca de 50 pessoas após um culto, no dia 7 de março. “Foi uma belíssima massa com salada, maravilhosa”, lembra o pastor Marcos Queiroz.

Há suspeitas de que ele possa ter sido contaminado com o coronavírus nesse encontro. A doença não é transmitida pela comida, mas sim pelo contato direto entre as pessoas, como em abraços e apertos de mãos ou no compartilhamento de talheres.

Naquele momento, ainda não havia restrições a eventos no Reino Unido.

O país demorou a adotar medidas de isolamento social para conter a propagação do novo coronavírus. Inicialmente, o premiê Boris Johnson minimizou os riscos, mas depois recuou e colocou o país em quarentena. O próprio Boris acabou contaminado pelo novo vírus.

“Todos que estiveram naquele dia acabaram contaminados pelo coronavírus”, conta a pastora Marcelle Leake, esposa de Marcos. O casal também teve a doença, mas já está recuperado.

Tavares levou mais de duas semanas para apresentar sintomas da infecção. Depois disso, tudo aconteceu muito rapidamente, conta Marcelle.

O carpinteiro foi levado de ambulância para o hospital na quinta (27) à noite. Na sexta, seus pulmões haviam sido dominados pela doença. Quatro dias depois, com rins e pâncreas paralisados, os médicos decidiram desligar o sistema de auxílio à respiração. Ele morreu minutos depois.

Ele estava em coma induzido, e queríamos que ele pudesse acordar para ao menos se despedir. Mas o médico falou que seria desumano. Ele acordaria desorientado, sentiria falta de ar e morreria tentando buscar o ar. Seria como a sensação de ser jogado no mar”, conta Marcelle.

Tavares era diabético, mas seus amigos apontam que ele sempre teve boa saúde e força para trabalhar em funções pesadas. “Quando cheguei aqui, tinha 22 anos, e ele, 50. Eu via a energia, a alegria e a disposição dele, e isso me motivou muito. Ele mantinha o espírito brasileiro vivo”, diz Cruz.

Nascido em Minas Gerais, Tavares emigrou para a Europa no fim dos anos 1990. Antes da Inglaterra, morou em Portugal. Tinha três filhos no Brasil. Um deles se tornou advogado com a ajuda enviada do exterior pelo pai. Casou-se de novo no Reino Unido e teve mais dois filhos, com 12 e 17 anos.

Ele tinha conseguido os documentos agora, conseguido uma casa aqui. E falava que queria voltar para o Brasil, ter um sítio e criar bichos”, comenta Marcelle.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Prefeitura cria escritório para integrar operações de fiscalização
Cientistas chineses anunciam descoberta contra a Covid-19
Deixe seu comentário
Pode te interessar