Domingo, 23 de junho de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
23°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Geral Cientistas preveem que a próxima temporada de furacões no Atlântico será “extraordinária”

Compartilhe esta notícia:

Em 2023, o furacão Lee ganhou força rapidamente passando para categoria cinco. (Foto: Divulgação)

O Atlântico Norte pode enfrentar até sete grandes furacões de categoria três ou superior este ano, mais que o dobro do número usual, advertiu a agência meteorológica dos EUA, NOAA. Normalmente, espera-se três grandes furacões em uma temporada.

Até 13 furacões do Atlântico de categoria um ou acima estão previstos para o período de junho a novembro.

As temperaturas recordes da superfície do mar e uma provável mudança nos padrões climáticos regionais são parcialmente responsáveis por isso.

Embora não haja evidências de que a mudança climática esteja aumentando o número de furacões, ela está tornando os eventos mais poderosos mais prováveis e trazendo chuvas mais intensas.

“Esta temporada de furacões promete ser extraordinária”, disse Rick Spinrad, administrador da NOAA, em uma coletiva de imprensa.

O recente enfraquecimento do padrão climático El Niño – e a provável transição para condições de La Niña no final do ano – cria condições atmosféricas mais favoráveis para essas tempestades no Atlântico.

Em contraste, a NOAA já havia previsto uma temporada de furacões “abaixo do normal” na região central do Pacífico, onde a transição para La Niña tem o efeito oposto.

Em média, a bacia do Atlântico – que inclui o Oceano Atlântico, o Mar do Caribe e o Golfo do México – registra 14 tempestades tropicais nomeadas por ano, das quais sete se tornam furacões e três se tornam grandes furacões.

As tempestades tropicais se transformam em furacões quando atingem velocidades de vento sustentadas de 74 mph (119 km/h). Os grandes furacões (categoria três e acima) são aqueles que alcançam pelo menos 111 mph (178 km/h).

A NOAA espera um total de 17 a 25 tempestades tropicais nomeadas, das quais entre oito e 13 podem se tornar furacões e entre quatro e sete podem se tornar grandes furacões.

O maior número de grandes furacões em uma única temporada no Atlântico é sete, registrado em 2005 e 2020. A previsão da NOAA sugere que 2024 pode se aproximar desse recorde.

As causas exatas das tempestades individuais são complexas, mas dois fatores principais estão por trás da previsão. Primeiro, há a provável transição de El Niño para La Niña nos próximos meses, o que facilita o crescimento dessas tempestades. Em segundo lugar, as temperaturas da superfície do mar estão muito mais quentes do que o habitual na principal região de desenvolvimento de furacões no Atlântico tropical.

Isso geralmente significa furacões mais poderosos, pois águas mais quentes fornecem mais energia para o crescimento das tempestades à medida que avançam para o oeste. “Todos os ingredientes estão presentes” para uma temporada de furacões intensa, disse Ken Graham, diretor do Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA.

Para destacar como o aquecimento global está tornando as tempestades de maior intensidade mais prováveis, um estudo recente explorou a possibilidade de criar uma nova categoria seis.

Isso “alertaria o público de que os ciclones tropicais mais fortes que estamos vivenciando são sem precedentes e a razão para isso é o aquecimento dos oceanos devido à mudança climática”, explica Michael Wehner, autor principal do estudo e cientista sênior da Berkeley Earth.

As categorias de furacões consideram apenas as velocidades dos ventos. No entanto, essas tempestades apresentam outros perigos significativos, como chuvas intensas e inundações costeiras, que geralmente estão piorando com a mudança climática, advertiu a NOAA.

O ar mais quente pode reter mais umidade, aumentando a intensidade das chuvas.

Além disso, as ondas de tempestade – os aumentos temporários do nível do mar causados pelos furacões – agora ocorrem sobre uma base mais alta. Isso se deve à elevação do nível do mar, principalmente por causa do derretimento das geleiras e do aquecimento dos oceanos.

“A elevação do nível do mar aumenta a profundidade total da inundação, tornando os furacões de hoje mais danosos do que os de anos anteriores”, diz Andrew Dessler, professor de ciências atmosféricas na Texas A&M University.

Dada a previsão ativa, os pesquisadores enfatizam a necessidade de o público estar ciente dos perigos que essas tempestades podem representar – em particular os “eventos de intensificação rápida”, onde as velocidades dos ventos dos furacões aumentam muito rapidamente, podendo ser especialmente perigosos.

“Já estamos observando aumentos gerais nas taxas mais rápidas de intensificação dos furacões no Atlântico – o que significa que provavelmente já estamos vendo um risco aumentado de perigos para nossas comunidades costeiras”, explica Andra Garner, professora assistente na Rowan University, nos EUA.

“Ainda pode ser difícil prever a intensificação rápida das tempestades, o que, por sua vez, aumenta os desafios na proteção de nossas comunidades costeiras.” As informações são da BBC News.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Congresso mantém veto de Lula e derruba, de vez, calendário para pagar emendas parlamentares
Câmara de Vereadores não aprova a abertura de processo de impeachment contra o prefeito de Porto Alegre
https://www.osul.com.br/cientistas-preveem-que-a-proxima-temporada-de-furacoes-no-atlantico-sera-extraordinaria/ Cientistas preveem que a próxima temporada de furacões no Atlântico será “extraordinária” 2024-05-28
Deixe seu comentário
Pode te interessar