Domingo, 23 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
33°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Você viu? Comprou na Black Friday e se arrependeu? E agora? Entenda o que é o Direito de Arrependimento

Compartilhe esta notícia:

Direito de Arrependimento é um dos principais aliados para evitar gastos desnecessários neste final de ano. (Foto: Reprodução)

A Black Friday movimentou consumidores de todo o País na sexta-feira (26). Uma pesquisa realizada antes do evento pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise, mostrou que 70% dos consumidores consideram a data uma boa oportunidade para comprar coisas que precisam a um preço mais baixo.

E com o sucesso do evento americano no País e ascensão do e-commerce, saber quais são os passos após uma compra mal planejada pode ajudar a evitar problemas.

Com o ‘boom’ das promoções de fim de ano, especialmente na Black Friday, é comum acontecerem as chamadas compras por impulso. Na internet, o problema tende a ser ainda maior se, quando a compra chega, o consumidor percebe que o produto não é exatamente aquilo que viu no site. Nesses casos, o Direito de Arrependimento é um dos principais aliados para evitar gastos desnecessários, explica a pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da FGV Direito Rio e advogada Beatriz Castilho Costa.

“O direito de arrependimento existe para evitar as compras por impulso. O consumidor fica um pouco mais vulnerável, porque ele não está na loja, não está vendo o produto. É para evitar também o marketing agressivo, a gente entra no Google para pesquisar algo e aquilo te acompanha eternamente”.

Segundo o art. 49 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), clientes que realizarem aquisições de serviços fora do estabelecimento comercial podem se arrepender em até sete dias corridos após o recebimento da compra.

Apesar de não estar incluso explicitamente na lei criada em 1991, os adeptos ao e-commerce também estão resguardados por ela. Entretanto, muitos fornecedores não indicam essa possibilidade ao consumidor, que acaba deixando de fazer uso desse direito.

Trocas e Devoluções

É importante lembrar que o Direito de Arrependimento não permite que o cliente realize a troca desse produto de forma online. Algumas lojas, no entanto, disponibilizam a possibilidade de troca, tanto no meio digital, como nos estabelecimentos físicos, mas para isso o cliente deve estar atento às condições.

Nesse aspecto, Beatriz avisa que o consumidor deve verificar se há algum problema aparente no produto assim que recebê-lo. Caso isso ocorra, deve entrar em contato com o fornecedor para fazer o reparo, a substituição ou eventual cancelamento da compra. Dependendo do caso, esse produto deverá ser encaminhado para a assistência técnica ou para a análise para que a causa do problema seja identificada.

“O Código de Defesa do Consumidor dá o prazo de 30 dias para produtos ou serviços não duráveis e 90 dias para os duráveis, contados do recebimento. Para vícios ocultos, como algum defeito no funcionamento, por exemplo, o prazo apenas é iniciado a partir de sua constatação”, explica ela.

Prazo de entrega

No caso das compras online, é comum que o consumidor conte com o prazo de entrega ao efetuar um determinado pedido. Com as promoções da Black Friday, para aqueles que adiantaram as compras de Natal e Ano Novo, por exemplo, o cumprimento desse prazo é fundamental para que não haja problemas.

Caso o produto não chegue dentro do período acordado, é necessário que o consumidor entre em contato com o fornecedor por meio dos canais oficiais para entender o ocorrido. Se for de interesse do cliente, é possível cancelar a compra sem custos adicionais.

“Às vezes pode ter acontecido alguma coisa que não é da espera da loja, mas o consumidor não deve ser prejudicado por isso. Então, nesse caso, ele tem direito a cancelar a compra, pois não faz mais sentido receber aquele produto fora do prazo”, afirma Beatriz.

A especialista explica ainda que, caso o ressarcimento não ocorra, o consumidor deve recorrer a medidas administrativas, como o Procon. E, se o problema ainda não for resolvido, a demanda deve ser encaminhada ao Judiciário.

E para fugir de problemas ou constrangimentos, sempre que o consumidor for exigir algum direito, ele deve registrar o contato com os fornecedores de alguma forma, seja por meio de e-mails, protocolos de atendimento ou conversas no WhatsApp.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Você viu?

Uso de composto da maconha para emagrecer ganha força no Brasil
Bill Gates revela sua tradicional lista de livros de final de ano
Deixe seu comentário
Pode te interessar