Terça-feira, 07 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Cloudy

Mundo Donald Trump deve voltar atrás em reaproximação com Cuba: O presidente americano cogita impor uma série de limitações após abertura de Obama

Compartilhe esta notícia:

O ex-presidente Barack Obama e o líder cubano Raúl Castro, em 2016. (Foto: Reprodução)

Após ameaças de acabar com a normalização de relações com Cuba realizada no governo de Barack Obama, o presidente Donald Trump pretende reverter partes do degelo americano a partir de junho, segundo a CNN. Fontes ouvidas pela rede afirmaram que o presidente deve anunciar que os EUA “não farão mais concessões unilaterais” à ilha de regime comunista.

Algumas das medidas esperadas pelas fontes incluem a demanda americana de fugitivos de sua Justiça que estão em Cuba, além de vetar que companhias americanas negociem com o Exército cubano, que controle grande parte do turismo do país, que é estatal.

Fontes do governo veem que Trump quer fazer “gestos simbólicos” após promessas anticastristas feitas para a comunidade cubana na Flórida e deputados contrários ao regime. Tudo isso sem fechar as portas para um emergente mercado que se criou com o degelo.

“Tenho 1.000% (sic) de certeza que o presidente cumprirá com o compromisso. Não tenho dúvida de que uma política diferente virá em breve”, afirmou o deputado federal Mario Diaz-Balart, sobrinho do ex-líder Fidel Castro e um dos congressistas mais anticastristas.

Nem a Casa Branca e nem Havana comentaram o caso em aberto. O motivo argumentado pelos EUA para voltar atrás na reaproximação é o fato de que o acordo de paz é favorável economicamente para o regime, abrindo oportunidades de negócios enquanto traz poucas mudanças em relação a direitos humanos.

O presidente Raúl Castro deixa o poder no início de 2018, mas espera-se que o regime faça o possível para manter eleições que vetem a participação de agremiações opositoras. (AG)

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Ação judicial coletiva foi aberta contra a JBS/Friboi nos Estados Unidos por investidores que compraram ações da empresa
A polícia dos Estados Unidos caça o brasileiro suspeito de chefiar a quadrilha de contrabando de fuzis
Deixe seu comentário
Pode te interessar